Artigos
  • RENATO NERY
    Não é sem motivo que se tornou um grande jornalista. Não sei se ele perseguia as notícias ou se estas o perseguiam
  • LEOMAR DARONCHO
    A “Reforma” não toca na questão do aperfeiçoamento e das possibilidades da efetiva atuação sindical
MPF / WHATSAPP

Tamanho do texto A- A+
04.05.2016 | 14h30
MPF investiga se criptografia permite a quebra de sigilo
Aplicativo teria implantado criptografia que não permitiria qualquer tipo de interceptação por terceiros
Mike Alves/Primeira
O procurador da República Guilherme Rocha Göpfert
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Federal (MPF) em Rondonópolis/MT instaurou procedimento preparatório para apurar o cumprimento de ordens judiciais de afastamento de sigilo de dados do aplicativo de comunicação WhatsApp.

Recentemente foi noticiado na mídia que o WhatsApp teria implantado a criptografia tipo “ponta-a-ponta”, a qual, segundo informado pela empresa, não permitiria qualquer tipo de interceptação por terceiros.

Se confirmada referida restrição, tal criptografia estaria em desacordo com a Constituição Federal, que em seu artigo 5º expressamente permite a quebra do sigilo em situações excepcionais:

Art. 5º (...) XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;

Ademais, nessa situação, violaria também o artigo 10, §1º, do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14):

Art. 10. A guarda e a disponibilização dos registros de conexão e de acesso a aplicações de internet de que trata esta Lei, bem como de dados pessoais e do conteúdo de comunicações privadas, devem atender à preservação da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das partes direta ou indiretamente envolvidas.

§ 1o O provedor responsável pela guarda somente será obrigado a disponibilizar os registros mencionados no caput, de forma autônoma ou associados a dados pessoais ou a outras informações que possam contribuir para a identificação do usuário ou do terminal, mediante ordem judicial, na forma do disposto na Seção IV deste Capítulo, respeitado o disposto no art. 7o.

De acordo com o procurador da República Guilherme Rocha Göpfert, responsável pela investigação “o direito a intimidade, tal como os demais direitos fundamentais previstos na Constituição Federal, não é revestido de caráter absoluto, de forma que não pode ser utilizado para ocultar práticas criminosas".

O procurador enfatiza ainda a preocupação de que tal restrição criptográfica possa favorecer o crime organizado e gerar danos às investigações e à sociedade, enfraquecendo o combate aos crimes de pedofilia, tráfico de drogas e terrorismo, por exemplo.

Por fim, destaca que a falta de atendimento às decisões judiciais de quebra de sigilo de dados tem levado a rotineiras suspensões do aplicativo, gerando danos a cerca de 100 milhões de usuários no Brasil.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2017
24.06.17 21h30 » A um passo da condenação
21.06.17 17h25 » Parecer do MPF é pela condenação de ex-prefeito de Cuiabá
07.06.17 08h50 » Membro do MPF é denunciado por atuar como informante de Joesley
06.06.17 16h05 » Estado, MP e Consórcio têm cinco dias para definir acordo
05.06.17 08h45 » Palácio acusa Janot de 'irresponsabilidade jurídica e intelectual'
04.06.17 14h54 » MP diz ser “absurdo” acordo encerrar ações contra Consórcio
02.06.17 09h18 » MPE e MPF rebatem Governo e negam ter “dado preço”
01.06.17 15h19 » Secretário acusa procuradora de "sonegar" informações
01.06.17 08h42 » MP cita “inviabilidade” e dá parecer contra acordo do VLT
01.06.17 08h34 » MPF diz que prazo de acordo deixa obra R$ 122 mi mais cara



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet