Artigos
  • RENATO NERY
    Não é sem motivo que se tornou um grande jornalista. Não sei se ele perseguia as notícias ou se estas o perseguiam
  • LEOMAR DARONCHO
    A “Reforma” não toca na questão do aperfeiçoamento e das possibilidades da efetiva atuação sindical
MPF / LAVA JATO

Tamanho do texto A- A+
08.04.2016 | 16h01
MPF pede a condenação de ex-ministro José Dirceu
Ele foi acusado de receber pagamentos com origem em desvios na Petrobras
Reprodução
MPF pediu a condenação do ex-ministro José Dirceu
FELIPE BÄCHTOLD
DO FOLHAPRESS

O Ministério Público Federal pediu a condenação do ex-ministro José Dirceu e de outras 14 pessoas em uma ação penal da Operação Lava Jato.

Em alegações finais do processo, protocoladas nesta quinta-feira (7), os procuradores afirmam que Dirceu possibilitou que grande parte do esquema na Petrobras se desenvolvesse ao ser o responsável pela indicação de Renato Duque à Diretoria de Serviços da Petrobras.

Além deles, também são réus o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, três sócios da empreiteira Engevix -Gerson Almada, Cristiano Kok e José Antunes-, e o irmão do ex-ministro, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva.

Dirceu foi acusado de receber pagamentos com origem em desvios na Petrobras de diferentes maneiras. Uma delas seria propina da Engevix intermediada por Milton Pascowitch, que virou delator e afirma que pagou reformas em imóveis em benefício de Dirceu. Outra, o recebimento de dinheiro pela empresa JD Consultoria sem que nenhum serviço fosse prestado.

O Ministério Público Federal considera, como agravante para a condenação, o fato de o ex-ministro já ter sido condenado pelo Supremo Tribunal Federal no escândalo do mensalão. Ele ainda cumpria a pena quando foi detido pela PF em agosto do ano passado, na ocasião em que foi deflagrada a fase Pixuleco da Lava Jato.

Outro agravante, diz o documento, é a condição de "alta instrução" dos acusados e a possibilidade de o esquema ter "impactado o sistema político" por meio da participação de congressistas. "São réus abastados, que ultrapassaram linhas morais sem qualquer tipo de adulteração de estado psíquico ou pressão, de caráter corporal, social ou psicológico", diz a peça.

O documento pede que a pena de prisão seja cumprida em regime inicialmente fechado.

Nas alegações, os procuradores também pedem o rompimento do acordo de colaboração premiada firmado com o réu Fernando Moura, acusado de "tratar acerca do pagamento das propinas no interesse de Dirceu".

O Ministério Público Federal entende que ele entrou em contradição ao voltar atrás em afirmação de que Dirceu o orientou a deixar o Brasil na época do escândalo do mensalão.

A defesa de Dirceu ainda não apresentou suas alegações, etapa do processo que antecede a sentença do juiz. Em depoimento, em janeiro, o ex-ministro falou que não admite ser acusado de chefe de quadrilha novamente e que não consegue "aceitar" a sua prisão, já que tinha endereço fixo e não atrapalhou a Justiça.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2017
24.06.17 21h30 » A um passo da condenação
21.06.17 17h25 » Parecer do MPF é pela condenação de ex-prefeito de Cuiabá
07.06.17 08h50 » Membro do MPF é denunciado por atuar como informante de Joesley
06.06.17 16h05 » Estado, MP e Consórcio têm cinco dias para definir acordo
05.06.17 08h45 » Palácio acusa Janot de 'irresponsabilidade jurídica e intelectual'
04.06.17 14h54 » MP diz ser “absurdo” acordo encerrar ações contra Consórcio
02.06.17 09h18 » MPE e MPF rebatem Governo e negam ter “dado preço”
01.06.17 15h19 » Secretário acusa procuradora de "sonegar" informações
01.06.17 08h42 » MP cita “inviabilidade” e dá parecer contra acordo do VLT
01.06.17 08h34 » MPF diz que prazo de acordo deixa obra R$ 122 mi mais cara



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet