Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Poder Público deve enxergar aqueles que são a quase totalidade do setor produtivo do nosso Estado
  • JULIANO RIZENTAL
    Em MT, o regimento do TCE disciplinou que outros atores sociais podem dar início a processos de fiscalização
  • CARLOS ARECO
    O impacto criminal do decreto estadual n. 08/2019 e o artigo 96 da lei de licitações nº.8.666/93
MPE / AFASTADO

Tamanho do texto A- A+
07.06.2018 | 14h59
MPE denuncia promotor por tentativa de estupro, ameaça e injúria
Fábio Camilo foi exonerado do cargo em abril, mas recorre da decisão
Montagem/MidiaNews
O promotor Fábio Camilo (no detalhe): denunciado por 10 crimes
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE), por meio do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco – Criminal), ofereceu nesta quarta-feira (06), perante o Tribunal de Justiça, denúncia contra o promotor de Justiça substituto, atualmente afastado das funções, Fábio Camilo da Silva.

Ele deverá responder pelos crimes de falsidade ideológica, tentativa de estupro, injúria racial, ameaça, dano ao patrimônio, abuso de autoridade, apropriação indébita, condução de veículo automotor com capacidade psicomotora alterada, ato obsceno e contravenção penal de vias de fato.

Na denúncia, foram apontados sete fatos envolvendo o promotor de Justiça substituto.

O primeiro diz respeito a inserção de informação falsa em correspondência eletrônica com o propósito de justificar a ausência de manifestação em um auto de prisão em flagrante.

Também é acusado de dirigir embriagado e atropelar um morador da cidade que é deficiente físico, além de se apropriar de uma mochila contendo vários pertences de um rapaz que o acompanhava quando estavam ingerindo bebida alcoólica.

A denúncia inclui ainda a acusação da prática de abuso de autoridade contra um policial Militar, depredação da sede de uma emissora de televisão e ameaças contra o funcionário de um hotel.

Além da condenação pelos crimes praticados, o Naco Criminal requer a reparação dos danos causados, a perda do cargo público eventualmente ocupado e a instauração de incidente mental, tendo em vista os laudos periciais apresentados no decorrer da investigação

Exoneração

No âmbito administrativo, o Conselho Superior do Ministério Público decidiu no dia 19 de abril, por unanimidade, pelo não vitaliciamento e consequente exoneração do promotor de Justiça substituto Fábio Camilo da Silva. A decisão ainda é passível de recurso.

Leia mais sobre o assunto:

MPE exonera promotor que desacatou policiais militares em MT


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
22.02.19 17h30 » MPE aciona Município por autorizar ocupação de área pública
22.02.19 17h05 » MPE suspeita de improbidade, abre inquérito e decreta sigilo
22.02.19 10h43 » MPE pede que Mendes e TCE barrem nomeação e posse de Maluf
21.02.19 16h02 » MPE cita Maluf réu e notifica AL para anular indicação ao TCE
20.02.19 16h59 » MPE investiga Mendes e Gallo por obra sem licitação na Prefeitura
20.02.19 08h33 » Turin diz que MPE pode contestar nomeação de réu em processo
18.02.19 14h49 » MPE propõe ação contra servidor que teria “forjado” ficha funcional
16.02.19 09h29 » MPE se aprofunda em fatos apurados durante CPI da Câmara
14.02.19 09h03 » MPE move ação para retomada de atendimento em hospital
13.02.19 17h03 » Após dano ambiental, MPE quer tornozeleira em chefe do Detran



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet