Artigos
  • VILSON NERY
    Li as propostas dos três candidatos, e separei as palavras “agricultura” e agronegócio” em seu contexto no plano de governo, para dar qualidade à minha pretensão
  • JOÃO PAULO OLIVEIRA
    No processo eleitoral atual há uma enorme preocupação com relação a informações falsas que são passadas no que tange a uma série de situações e candidatos
MPE / RECEBEU R$ 8 MILHÕES

Tamanho do texto A- A+
27.04.2018 | 14h58
MPE pede suspensão de contrato entre Governo e Orquestra de MT
Promotor Mauro Zaque apontou indícios de que Leandro Carvalho era o beneficiário dos repasses
MidiaNews
O maestro Leandro Carvalho, ex-secretário e diretor artístico da orquestra
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) emitiu uma recomendação para que o secretário de Estado de Cultura, Gilberto Nasser, suspenda o contrato firmado pelo Governo com a Orquestra do Estado de Mato Grosso.

A recomendação foi emitida na última quinta-feira (26) pelo promotor de Justiça Mauro Zaque.

A orquestra foi fundada pelo maestro Leandro Carvalho, que foi secretário de Cultura de 2015 até dezembro do ano passado. Carvalho atualmente é diretor artístico da empresa.

Na recomendação, o promotor Mauro Zaque justificou o pedido de suspensão do contrato em razão das suspeitas de que desde 2014 “os valores repassados para a Orquestra do Estado de Mato Grosso aumentaram consideravelmente” e sem a devida contrapartida.

Conforme Zaque, há suspeitas de que a saída de Carvalho da diretoria da orquestra teria sido “de fachada”, apenas para permitir que a empresa continuasse a receber valores do Estado. Nesta gestão, a orquestra recebeu cerca de R$ 8 milhões.

As notícias trazidas de supostas irregularidades relatam que provavelmente fora maquiada a mudança do Presidente e diretor da Orquestra de Mato Grosso

Isso porque a legislação não permite que servidores públicos sejam diretores de empresas.

“As notícias trazidas de supostas irregularidades relatam que provavelmente fora maquiada a mudança do Presidente e diretor da Orquestra de Mato Grosso em razão da titularidade da ordenação de despesas coincidir com o próprio beneficiário, no caso o ex-secretário de Cultura Leandro Faleiros Rodrigues Carvalho, que assumiu a pasta de 01 de janeiro de 2015 a 18 de janeiro de 2018”.

Zaque relatou haver notícias de que os valores repassados à Orquestra do Estado de Mato Grosso são “expressivos” e não tiveram contrapartida em relação “à formação musical infantil, profissional adulta, composição de corpo docente, empregados e músicos”.

“As notícias trazidas de supostas irregularidades apresentam pesquisa realizada no Sistema FIPLAN onde há indícios de pagamento antecipado e pagamentos efetuados quando o então Secretário de Cultura, Leandro Faleiros Rodrigues Carvalho, ainda era legalmente presidente da Associação Orquestra do Estado de Mato Grosso”.

Suspensão “imprescindível”

Diante dos indícios de irregularidades, o promotor registrou que é imprescindível a suspensão do contrato firmado em 2014 entre a orquestra e O Estado.

“A omissão na defesa do patrimônio público pode configurar ato de improbidade administrativa que causa dano ao patrimônio público, enriquecimento ilícito e/ou viola os princípios da Administração Pública, previsto nos artigos 9º, 10 e 11, caput, e inciso II, da Lei 8.429/92”.

Além da recomendação para a suspensão do contrato, Mauro Zaque também pediu que o atual secretário, em até 10 dias, envie a ele todos os documentos sobre o contrato e seus aditivos, “ou qualquer outro Contrato de Gestão validamente celebrado entre o Governo do Estado de Mato Grosso, através da Secretaria de Estado de Cultura, com a Orquestra do Estado de Mato Grosso, processos de pagamento, preferencialmente em meio digital, para análise detalhada do objeto”.

“Concede-se a Vossa Excelência o prazo de 24 horas, para informar perante esta 11ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio e da Probidade Administrativa, o acatamento ou não, dos termos da presente notificação, bem como eventual fornecimento dos documentos requisitados, sob pena de serem tomadas as medidas judiciais cabíveis”, diz trecho da recomendação.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
18.09.18 17h25 » MPE denuncia empresária por suspeita de fraude na Sema
17.09.18 17h27 » Em denúncia à Justiça, MPE diz que cabo da PM foi a casa noturna
15.09.18 09h56 » Acordo entre MPE e Prefeitura veta construção de condomínio
12.09.18 16h38 » Conselho absolve promotores de acusação feita por condomínio
12.09.18 14h55 » MPE pede bloqueio de R$ 500 mil de prefeito de Barra, clube e vereadores
11.09.18 17h26 » MPE denuncia médica por homicídio, omissão de socorro e embriaguez
11.09.18 17h16 » Ao MPE, pacientes negam realização de cirurgias pagas a empresa
11.09.18 08h38 » MPE aciona Prefeitura e 9 moradores por aterro em nascente
10.09.18 16h43 » MPE busca e não encontra contrato entre Secretaria e empresa
10.09.18 15h39 » MPE aguarda laudos de exames para decidir destino de bebê



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet