Artigos
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Vale ressaltar que a prisão não extingue o débito alimentar, não isentando o devedor de pagar os valores vencidos e vincendos
MPE / RONDONÓPOLIS

Tamanho do texto A- A+
17.04.2018 | 14h51
Ação que requer a perda de terrenos baldios deve ser julgada
MPE não descarta a tentativa de conciliação e argumenta que os autos já estão suficientemente instruídos
MidiaNews
Ministério Público do Estado de Mato Grosso
DA REDAÇÃO

Já na fase final de tramitação, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 6ª Promotoria de Justiça Cível de Rondonópolis, requereu ao Poder Judiciário o julgamento de mérito da ação que busca obrigar o município a identificar e localizar todos os lotes vagos ou abandonados existentes no município.

O MPE não descarta a tentativa de conciliação e argumenta que os autos já estão suficientemente instruídos e que, portanto, não há mais necessidade de produção de provas.

“Dependendo do resultado do julgamento, o município poderá ser condenado a arrecadar ou desapropriar esses terrenos e destiná-los para instalação de equipamentos públicos, criação de áreas verdes ou venda por licitação para que possam ser edificadas residências, como forma de promover a ocupação dos espaços vazios abandonados na cidade”, destacou o promotor de Justiça Ari Madeira Costa.

Segundo ele, a ação foi proposta pelo Ministério Público em março de 2016 pelo então promotor de Justiça do Meio Ambiente, Marcelo Vacchiano, em razão dos altos prejuízos à saúde da população e à segurança pública decorrentes de terrenos baldios e sujos na cidade (de propriedade privada e pública), além de elevados gastos do erário com o trabalho de fiscalização, limpeza, mutirões e notificação dos respectivos proprietários ou especuladores imobiliários.

“É fundamental para combater surtos de doenças provocadas pelo mosquito Aedes Aegypti (dengue, zika e chikungunya) e Leishmaniose, que os proprietários de terrenos baldios os mantenham limpos e com muro e calçadas em áreas em que há pavimentação. Uma vez abandonados, esses terrenos são propícios para se tornarem criadouros de animais peçonhentos, de caramujos e até mesmo do Aedes Aegypiti. Além da sujeira dos terrenos, não raro, existe a obstrução do passeio público, com a manutenção de entulhos em calçadas”.

Segundo informações da Secretaria da Receita, o Município de Rondonópolis possui cerca de 108.144 imóveis cadastrados, destes aproximadamente 45.517 são lotes vagos.

“O município  deve agir conforme dispõe o próprio Plano Diretor como forma de enfrentar os problemas que causam o lote urbano abandonado (art. 226 e §§ da Lei Complementar n.º 043/2006). Os mecanismos jurídicos existem. O que falta é a existência de uma política pública consistente que cumpra os ditames da lei”, diz um trecho da manifestação do MPE.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
16.08.18 17h50 » Médico agia com ganância e visando lucro fácil, diz MPE do Rio
15.08.18 15h38 » MPE questiona benefício a servidor condenado por esquema na AL
13.08.18 17h06 » MPE exclui hospitais particulares de ação contra judicialização da saúde
13.08.18 13h05 » MPE suspeita de sobrepreço e investiga licitação de R$ 6 mi
10.08.18 15h52 » Promotor instaura inquérito para investigar crise na Santa Casa
10.08.18 10h45 » MPE pede intervenção federal no Estado; TJMT tenta conciliação
08.08.18 15h53 » MPE aciona Estado por lançar esgoto em parque na Capital
07.08.18 09h39 » MPE pede interdição parcial de unidade após surto de doença
06.08.18 15h26 » MPE aciona prefeitura e 21 moradores por construção em APP
04.08.18 10h02 » Justiça interdita food park na avenida do CPA



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet