Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
MPE / PRESERVAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
02.04.2018 | 16h35
MPE pode obrigar três órgãos públicos a saírem do local
Promotor Gérson Barbosa alertou para as consequências de degradação dessas áreas
MidiaNews
Promotor de justiça Gerson Barbosa, que assinou a portaria que oficializou a investigação
DIEGO FREDERICI
FOLHAMAX

O Ministério Público Estadual (MP-MT) instaurou um inquérito civil para investigar a possível ocupação irregular de órgãos do Governo do Estado, como o Detran, a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DERFVA) e o pátio do Conselho Estadual de Entorpecentes (Conen) – todos em Cuiabá.

De acordo com o promotor de justiça Gerson Barbosa, que assinou a portaria que oficializou a investigação no último dia 23 de março, os órgãos públicos estariam ocupando área de preservação de nascentes na Capital.

“Além do Detran, a Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DERRFVA) e o pátio do Conselho Estadual de Entorpecentes (Conen) estão situados na área de preservação permanente em questão”, disse o promotor.

O promotor citou ainda que a Coordenadoria de Políticas sobre Drogas de Mato Grosso (Coesd), também na Capital, estaria sobre uma área de nascente que encontra-se “totalmente ocupada e degradada por aterramento”.

Gerson Barbosa afirmou que a Secretaria Municipal de Ordem Pública de Cuiabá confirmou a veracidade dos fatos investigados num “procedimento preparatório” – etapa anterior ao inquérito civil.

O membro do MP-MT alertou para as consequências de degradação dessas áreas.

“A degradação de nascentes, olhos d'água e áreas úmidas urbanas pode engendrar consequências prejudiciais ao meio ambiente, comprometer a sustentabilidade do ecossistema e a segurança hídrica, com reflexos negativos no abastecimento de água potável, reduzindo a sua quantidade e qualidade, afetando a recarga do lençol freático e a bacia hidrográfica”, disse o promotor.

Caso as irregularidades sejam confirmadas pelo MP-MT, o órgão pode oferecer uma denúncia a Justiça que pode obrigar a desocupação e recuperação das áreas.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
17.10.18 17h33 » MPE vê “trama de mentiras” e pede prisão de PM réu por grampos
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"
04.10.18 17h21 » MPE diz que cabo não deve ter atenuante de pena por confissão
04.10.18 08h28 » MPE pede a condenação de ex-comandante geral da PM e mais 2



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet