Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quem exige tributo deve apontar o seu exato valor, com critérios objetivos
  • GISELE NASCIMENTO
    É assustador o tanto de mulheres que têm sido assassinadas em Mato Grosso nos últimos tempos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Não agir com igualdade perante todos significa um torpedo contra a própria noção de justiça
MPE / LEGISLATIVO

Tamanho do texto A- A+
29.03.2018 | 09h48
MPE recebe denúncia de fantasmas na Câmara e deve investigar
"Funcionários" seriam nomeados em gabinetes, mas não estariam comparecendo ao trabalho
Reprodução
Os vereadores Marcelo Bussiki e Diego Guimarães: alvo de denúncias
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O Ministério Público do Estado (MPE) recebeu, no último dia 23 de março, uma representação denunciando a existência de supostos servidores fantasmas lotados em gabinetes de vereadores de Cuiabá.

O documento foi distribuído para a promotora Audrey Thomaz Ility, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa. A promotora foi procurada por meio da assessoria de imprensa, mas não vai se manifestar.

Segundo informações obtidas pela reportagem, ela deverá analisar a representação e decidir se cabe abrir um inquérito ou não para investigar o caso. Nos bastidores, a informação é de que o Ministério Público estaria disposto a vasculhar a Câmara Municipal.

Nas últimas semanas, surgiram denúncias de que os vereadores Marcelo Bussiki (PSB) e Diego Guimarães (PP) mantêm funcionários em seus gabinetes, mas que não estariam comparecendo à Casa de Leis.

Reprodução

Audrey Thomaz Ility

A promotora Audrey Thomaz Ility (detalhe), do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público

No caso de Bussiki, a denúncia diz que o parlamentar empregou Noíze Pereira da Silva, mãe do ouvidor da Prefeitura de Cuiabá Jairo Rocha, que trabalhou anteriormente com Bussiki. Jairo foi exonerado pelo prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) na última semana.

Noíze ganharia R$ 4 mil e não compareceria à Câmara. O vereador afirmou que as acusações são inverídicas. Que a servidora foi nomeada há três meses, presta serviço de assessoria parlamentar, executando, entre outros, o trabalho de formulação de requerimentos e indicações voltados para a área de obras públicas.

Já Diego Guimarães empregaria Marta Aparecida Piovezan por pouco mais de R$ 2 mil. Ela seria mãe de Rafael Piovezan, vereador de Acorizal e presidente da União das Câmaras Municipais de Mato Grosso (Ucmmat) e também é acusada de não comparecer à Câmara.

O parlamentar também negou as acusações e disse que a servidora trabalha colhendo indicações nos bairros da Capital.

Ambos os vereadores afirmam que as acusações estão surgindo por serem da bancada de oposição e por suas atuações em relação a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o prefeito Emanuel Pinheiro, que foi filmado recebendo maços de dinheiro no Palácio Paiaguás, à época em que era deputado estadual.

"Apesar de ter a convicção de que a denúncia faz parte de um movimento articulado para desestabilizar a CPI do Paletó, considero que a análise do caso por parte de uma instituição séria como o Ministério Público Estadual é a oportunidade de esclarecer os fatos, para que, sobre eles, não pairem nenhuma dúvida", disse Bussiki ao MidiaNews.

"O vereador Diego Guimarães apoia a realização de qualquer investigação e se coloca à inteira disposição de todos os órgãos de controle para que os fatos sejam plenamente esclarecidos. O Vereador reafirma seu compromisso com a legalidade e com a moralidade, tendo apresentado, juntamente com o Vereador Marcelo Bussiki, uma proposta de emenda à Lei Orgânica que, dentre outras medidas, prevê a redução do número de cargos comissionados, a exigência de ficha limpa e a instituição de qualificação compatível com as funções a serem desempenhadas", disse o vereador, por meio de nota.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
19.04.18 16h43 » Fávaro diz “estranhar” ação e nega ter impedido fiscalização
19.04.18 11h41 » MPE exonera promotor que desacatou policiais militares em MT
18.04.18 17h35 » MPE pede afastamento do secretário de Meio Ambiente de MT
18.04.18 10h31 » MPE firma TAC com construtora para recuperar nascente de córrego
17.04.18 15h51 » Promotor de Justiça será julgado nesta quinta-feira pelo MPE
17.04.18 14h51 » Ação que requer a perda de terrenos baldios deve ser julgada
14.04.18 11h51 » “MPE não vai ser usado por políticos para atacar adversários”
10.04.18 09h47 » MPE pede que vítimas tenham atendimento diferenciado
04.04.18 16h38 » MPE quer que fundo proposto por Taques auxilie os filantrópicos
03.04.18 10h58 » MPE vê edital obscuro e orienta que Governo suspenda licitação



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet