Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
MPE / ESQUEMAS E DELAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
20.03.2018 | 11h54
MPE pede para a Justiça leiloar terreno de R$ 860 mil de Silval
Ana Cristina Bardusco afirmou que venda trará devolução de dinheiro aos cofres públicos
Alair Ribeiro/MidiaNews
A promotora Ana Bardusco, que requereu leilão de imóvel devolvido por Silval
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) pediu que a juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, autorize o leilão de um imóvel devolvido pelo ex-governador Silval Barbosa em seu acordo de delação.

O requerimento foi feito pela promotora de Justiça Ana Cristina Bardusco, no dia 7 de março. O imóvel em questão, avaliado em R$ 860 mil, está localizado em Sinop (480 km de Cuiabá) e possui 2,5 mil metros quadrados.

A área de terra é uma das cinco propriedades devolvidas pelo ex-governador como parte da colaboração premiada firmada com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

As propriedades, juntas, somam R$ 46 milhões. Silval também terá que devolver mais R$ 23 milhões em dinheiro, valor a ser pago em cinco parcelas anuais de R$ 4,69 milhões. A primeira parcela deverá ser paga em 2018 e a última em 2022.

Inegável que a adoção desta providência proporcionará de forma mais eficaz e célere a conversão pecuniária [em dinheiro] dos bens ofertados/sequestrados

Na delação, ele confessou dezenas de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, dentre outros, de 2007 a 2014, tanto em sua atuação como governador, quanto na condição de vice de Blairo Maggi e até mesmo na época em que era deputado.

Mais celeridade

Na petição, a promotora Ana Bardusco explicou que o leilão do imóvel irá garantir maior celeridade no trâmite de alienação dos bens devolvidos pelo ex-governador na delação.

“Inegável que a adoção desta providência proporcionará de forma mais eficaz e célere a conversão pecuniária [em dinheiro] dos bens ofertados/sequestrados, permitindo a recomposição de vários direitos que foram lesados e cujo acesso foram frustrados à sociedade mato-grossense, já que o valor arrecadado com a venda será revertido em interesse da coletividade”, disse.

Bardusco recomendou que caso o pedido seja atendido, seja estabelecido o prazo de seis meses para a venda.

“Devendo o corretor público conferir a mais ampla publicização de sua oferta, exigindo para as tratativas de negociação a observância do valor da avaliação como a oferta mínima, com a possibilidade do pagamento em pecúnia à vista ou parcelado, este último desde que ofertado garantias legais”.

Ainda no requerimento, a promotora mencionou que por ora não será possível vender as fazendas Serra Dourada I e II, avaliadas em mais de R$ 40 milhões, pois estas propriedades foram invadidas pelo Movimento Sem Terra e estão sendo objeto de reintegração de posse em outra ação.

Ela também reiterou que outros dois imóveis em Cuiabá, avaliados em R$ 1,2 milhão, e uma aeronave de R$ 900 mil, devolvidos por Silval, também não poderão ser vendidos, em razão do Estado ter manifestado interesse “de incorporá-los em seu patrimônio”.

A delação

Em troca de ter confessado os fatos e ter se comprometido a devolver R$ 70,8 milhões, parte em bens, parte em espécie, a PGR ofertou pedir a redução de 2/3 da pena caso ele seja condenado, fixando um limite de 20 anos de reclusão.

Silval já foi condenado a 13 anos e sete meses de prisão na ação penal derivada da 1ª fase da Operação Sodoma.

Pelo acordo, ele deverá cumprir três anos e seis meses em regime domiciliar diferenciado, com tornozeleira eletrônica, sendo que será descontado desde tempo os quase dois anos que já ficou preso no Centro de Custódia da Capital.

Durante outros dois anos e seis meses, o ex-governador ficará preso em regime semiaberto, com tornozeleira, ficando proibido de sair de casa das 22h às 6h.

No restante da pena, o regime de cumprimento será o aberto, sem tornozeleira, devendo apenas “comparecer mensalmente ao juízo da execução para justificar as atividades e endereço”.

Além disso, durante todo o cumprimento, Silval poderá pedir a redução da pena pelos dias trabalhados.

 

Leia mais sobre o assunto:

Juíza autoriza Estado a usar avião de Silval para a Segurança

Silval, irmão, esposa e filho devolverão R$ 79 mi em bens; veja


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
18.10.18 15h03 » Prado diz que MPE pode ser parceiro estratégico da gestão Mendes
17.10.18 17h33 » MPE vê “trama de mentiras” e pede prisão de PM réu por grampos
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"
04.10.18 17h21 » MPE diz que cabo não deve ter atenuante de pena por confissão



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet