Artigos
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
MPE / COMUNIDADE TERAPÊUTICA

Tamanho do texto A- A+
14.03.2018 | 09h30
MPE notifica município para que anule contrato
As unidades ficam impossibilitadas de realizar internações compulsórias
Reprodução
Uma reunião com representantes de vários órgãos do município foi realizada nesta terça-feira (13)
DA REDAÇÃO

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Colíder, emitiu notificação recomendatória ao município para que, no prazo de 48 horas, cancele a licitação que resultou na contratação de três comunidades terapêuticas por não possuírem o alvará sanitário necessário que as credenciam como entidades de saúde.

Sem a referida licença, as unidades ficam impossibilitadas de realizar internações compulsórias. 

Segundo o MPE, as entidades não cumprem as exigências estabelecidas na politica de atendimento às pessoas com problemas decorrentes do abuso de álcool e drogas, que preconiza o atendimento em regime ambulatorial, geograficamente próximo ao seu domicílio, o que propiciaria uma real aproximação daquele “dependente” de uma plena recuperação e reinserção na sociedade. 

Em Colíder funciona um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), na modalidade CAPS I, que, apesar de não atender o público com problemas decorrentes do abuso de álcool e drogas, possui psiquiatra contratado. Atualmente, tramita no Ministério Público um inquérito que apura as condições e a regularidade do processo licitatório que contratou as três comunidades terapêuticas para tratamento de dependentes químicos do município, todas situadas em Várzea Grande. 

As investigações conduzidas pelo Promotor de Justiça Substituto, Carlos Rubens de Freitas Oliveira Filho, apontaram que as unidades tiveram seus alvarás sanitários suspensos, por irregularidades não sanadas no prazo legal. As informações foram fornecidas pela Vigilância Sanitária de Várzea Grande, órgão responsável pela fiscalização das Comunidades Terapêuticas naquela cidade. 

A Resolução do CONAD n.º 29/2011 regulamenta no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – SISNAD, as entidades que realizam o acolhimento de pessoas, em caráter voluntário, com problemas associados ao uso nocivo ou dependência de substância psicoativa, caracterizadas como Comunidades Terapêuticas, e veda a internação compulsória, não sendo, consequentemente, parte da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). 

Uma reunião com representantes de vários órgãos do município foi realizada nesta terça-feira (13).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
18.10.18 15h03 » Prado diz que MPE pode ser parceiro estratégico da gestão Mendes
17.10.18 17h33 » MPE vê “trama de mentiras” e pede prisão de PM réu por grampos
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"
04.10.18 17h21 » MPE diz que cabo não deve ter atenuante de pena por confissão



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet