Artigos
  • VINÍCIUS SEGATTO
    O ato de licitar refere-se à oferta de algum bem ou serviço à coletividade, para que se atinja o valor mais adequado e plausível, mediante lances
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
MPE / PRISÃO ESPECIAL

Tamanho do texto A- A+
14.03.2018 | 08h57
MPE pede fim de benefício a "médica" acusada de homicídio
Investigação revelou que Yana Coelho teria fraudado documentos para se transferir de faculdade
Arquivo/MidiaNews
Yana Fois Alvarenga Coelho (detalhe) está presa no Presídio Ana Maria do Couto May
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual pediu nesta terça-feira (13) que Yana Fois Alvarenga Coelho, denunciada por exercício ilegal da Medicina e por participação no homicídio do ex-prefeito de Colniza, Esvandir Antônio Mendes, perca o direito à prisão especial na Penitenciária Ana Maria do Couto May.

"O pedido é para que a detenta seja recolhida nas mesmas dependências das demais recuperandas, sem qualquer distinção, já que não possui curso superior", apontou trecho de nota divulgada pela promotoria.

Em denúncia apresentada na sexta-feira (9), Yana foi acusada de utilizar documentos falsos para conseguir, entre os anos de 2006 e 2007, sua transferência do curso de Medicina do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda para a Universidade de Iguaçu (UNIG), no Estado do Rio de Janeiro.

"Durante as investigações, o MPE teve acesso a ofícios expedidos pelo Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda, em julho de 2007, informando à Universidade de Iguaçu (Unig) que os documentos utilizados pela referida acadêmica para efetivar a transferência foram adulterados grosseiramente", diz o MPE.

A investigação revelou que, além de ter sido reprovada em quase todas as disciplinas do curso, Yana havia desistido da graduação antes de se transferir para o Estado do Rio de Janeiro.

Em março de 2008, segundo a promotoria, o Reitor da Universidade de Iguaçu expediu Portaria confirmando a desconstituição de colação de grau de Yana Fois Coelho, com a consequente invalidação do Diploma de médica. O fato foi comunicado ao Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro.

Denúncia

Yana é uma das quatro pessoas denunciadas pela morte do prefeito. Além dela são acusados seu marido Antônio Pereira Rodrigues Neto e Zenilton Xavier de Almeida e Welison Brito Silva. O crime aconteceu no dia 15 de novembro.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
22.10.18 15h30 » José Borges e Mauro Curvo disputam o comando do MPE em MT
18.10.18 15h03 » Prado diz que MPE pode ser parceiro estratégico da gestão Mendes
17.10.18 17h33 » MPE vê “trama de mentiras” e pede prisão de PM réu por grampos
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet