Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    De todo modo, é certo afirmar que não há hierarquia entre as aludidas secretarias
  • RODRIGO MUDROVITSCH
    A reforma regulatória parece visar corrigir insuficiências do modelo atual
MPE / CITADO EM OPERAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
20.02.2018 | 17h55
Savi: “Não tenho medo do MPE; responderei delatores na Justiça”
Deputado estadual negou as acusações e garantiu que segue à frente da CPI dos Fundos
Arquivo/MidiaNews
O deputado estadual Mauro Savi, que rebateu as acusações do MPE
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

Alvo da Operação Bereré, deflagrada pelo Gaeco na manhã de segunda-feira (19), o deputado estadual Mauro Savi (PSB) disse não temer o Ministério Público Estadual e não ver suspeição na sua permanência no comando da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os fundos do Governo.

A declaração foi dada em uma das reuniões da CPI, na tarde desta terça-feira (20).

“Foi me perguntado essa semana se eu ia ficar à frente da CPI em meio a essa questão da busca e apreensão na minha casa. Quero dizer que não é novidade nenhuma. E quero deixar bem claro para aqueles de plantão que estão torcendo: eu não tenho medo nem da investigação e nem do MPE. Vou continuar à frente [da CPI] votando com minhas convicções, respeitando a todos, mas sem medo nenhum”, afirmou.

O deputado é apontado pelas investigações como um dos principais líderes de um esquema de fraudes no contrato entre o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) e a empresa EIG Mercados.

As acusações são baseadas nas delações do ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o “Dóia”, e do irmão do ex-governador Silval Barbosa, o empresário Antonio Barbosa.

Fui o mais votado da Assembleia, com 55 mil votos. Quarto mandato de deputado. Nada me assusta. E vou responder pelos ‘diz que’ e pelos ‘acho’ de delatores na Justiça

Savi disse que irá responder aos delatores na Justiça

“Ainda tenho mandato para terminar e vou terminar olhando nos olhos das pessoas. Fui o mais votado da Assembleia, com 55 mil votos. Quarto mandato de deputado. Nada me assusta. E vou responder pelos ‘diz que’ e pelos ‘acho’ de delatores na Justiça. E, se tiver que responder a vocês, eleitores, será nas urnas”, disse.

“Agora, aqueles que estão aí, torcendo, esquecem. Vou pela minha convicção. Vou estar aqui dentro da investigação do governador, ou de quem quer que seja, do fundo, Aprosoja ou outra empresa. Pode ter certeza que vou estar aqui dentro sem medo nenhum”, completou.

A operação

A operação foi desencadeada na manhã desta segunda-feira (19) em Cuiabá, Sorriso e Brasília (DF), com o cumprimento de mandados de busca e apreensão na Assembleia Legislativa, em imóveis e escritórios, além da sede da empresa em Brasília.

São alvos da operação o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), o deputado estadual Mauro Savi (PSB), o ex-deputado federal Pedro Henry, servidores públicos, empresas e particulares.

A operação é desdobramento da delação premiada do ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o "Dóia".

Ele revelou esquemas de corrupção na autarquia, iniciados em 2009, e que renderia, ao menos, R$ 1 milhão por mês.

As empresas FDL Serviços de Registro, Cadastro, Informatização e Certificação Ltda. (que agora usa o nome de EIG Mercados Ltda.), e a Santos Treinamento Ltda. teriam sido usadas para lavar dinheiro no esquema.

A EIG Mercados venceu uma licitação, em 2009, para prestar serviços de registro de financiamentos de contratos de veículos, por um período de vinte anos.

Até julho de 2015, a empresa ficava com 90% da arrecadação anual - estimada em R$ 25 milhões - e o órgão com 10%.

Em julho de 2015, já na gestão Pedro Taques (PSDB), o Detran fez um termo aditivo ao contrato, passando a receber 50% da arrecadação.

Conforme as investigações, parte dos valores milionários pagos pelo Detran à FDL eram repassados para a empresa Santos Treinamento, que seria de fachada e atuaria apenas para “lavar” e distribuir a propina aos políticos.

Dezenas de servidores e parentes de servidores do Poder Legislativo também teriam sido usados para lavar o dinheiro arrecadado por meio do esquema criminoso.

Leia mais sobre o assunto:

MPE diz que "organização criminosa" era composta por 3 núcleos

MPE pediu a prisão de 49 acusados; desembargador negou

Botelho foi sócio de empresa que, segundo a PF, era de "fachada"

“Tentei rescindir o contrato, mas há uma multa de R$ 100 milhões”

Contrato da EIG Mercados com Detran é de R$ 3 milhões mensais

Esquema com deputados de MT foi confirmado por irmão de Silval

Botelho, Savi e Henry são acusados de esquema e alvos do Gaeco


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2019
16.01.19 15h25 » MPE aciona hospital por lançar esgoto em córrego de Cuiabá
16.01.19 14h56 » MPE aciona concessionária por irregularidades em subestação
14.01.19 17h54 » MPE pede e juiz eleva para R$ 28,5 mil fiança imposta a motorista
14.01.19 17h30 » MPE: tenente morto em ação apontou “declaração falsa” de PMs
14.01.19 16h55 » MPE quer demolir imóveis em área verde no Jardim Paulista
12.01.19 11h59 » “Não duvide se tentarem macular minha honra e credibilidade"
12.01.19 11h53 » MPE denuncia 5 pessoas envolvidas no assassinato de agricultor
11.01.19 18h09 » MPE: PMs mataram tenente para impedir denúncia por má conduta
08.01.19 17h42 » MPE investiga empresa por contrato firmado com Prefeitura de MT
08.01.19 17h28 » MPE requer interdição de fazenda para evitar pragas em plantação



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet