Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Ainda não decidi em QUEM vou votar nas próximas eleições, mas em QUE vou votar
MPE / COLNIZA

Tamanho do texto A- A+
01.02.2018 | 14h01
MPE quer que testemunhas de chacina sejam ouvidas em Cuiabá
Crime ocorreu em abril de 2017; na ocasião, dez pessoas foram executadas na zona rural
Divulgação/MPE
Assassinos mataram vítimas com o uso de armas de fogo e arma branca, em Colniza
DA REDAÇÃO

O Ministério Público do Estado (MPE) requereu à Justiça que as testemunhas da chacina de Colniza (1.065 km a Noroeste de Cuiabá) sejam ouvidas em Cuiabá, por conta das ameaças que estariam sofrendo na cidade.

O pedido foi feito durante audiência de instrução e julgamento, nesta semana, na cidade.

A chacina ocorreu em abril de 2017. Na ocasião, dez pessoas foram executadas.

Conforme o MPE, uma das testemunhas contou que, da última vez que esteve em Colniza, após a chacina, levou nove tiros e teve que passar cinco dias escondida.

A testemunha alegou que não registrou boletim de ocorrência porque, quando prestou depoimento sobre o caso, recebeu garantia de que teria proteção.

A mesma testemunha informou, ainda, que seis pessoas foram atrás dela e que “quase a mataram”.

“Desse modo, o Ministério Público requer que seja designada a oitiva das testemunhas para a Comarca de Cuiabá em tempo hábil, para que a acusação possa avisá-los, uma vez que se encontram escondidas, mencionando apenas que entrarão em contato em breve, se comprometendo, a acusação, desde já, em cientificá-las da data a ser designada para intimar a defesa para o ato”, diz trecho de documento do MPE.

Durante a audiência, o MPE reiterou o parecer no sentido da manutenção da prisão preventiva dos acusados – Moisés Ferreira, Paulo Neves Nogueira, Pedro Ramos Nogueira e Valdelir João de Souza (acusado de ser o mandante do crime) -, por entender que ainda valem os fundamentos que a decretaram.

“A instrução somente vem a reforçar o fumus comissi delicti, de modo que o envolvimento dos acusados não podem ser excluídos pelo fato de haver investigação em curso que buscam a apurar a existência de outros integrantes do grupo os encapuzados”, diz o MPE.

O caso

De acordo com o MPE, no dia da chacina, 19 de abril de 2017, Pedro, Paulo, Ronaldo e Moisés, a mando de Valdelir, teriam seguido até a Linha 15 e, com o uso de armas de fogo e arma branca, assassinaram Francisco Chaves da Silva, 56, Edson Alves Antunes, 32, Izaul Brito dos Santos, 50, Aldo Aparecido Carlini, 50, Sebastião Ferreira de Souza, 57, Fábio Rodrigues dos Santos, 37, Samuel Antonio da Cunha, 23, Ezequias Santos de Oliveira, 26, e Valmir Rangel do Nascimento, de 55 anos.

Os autores foram reconhecidos pelas testemunhas.

Segundo o MP, os criminosos percorreram aproximadamente 9 km, ao longo da Linha 15, "assassinando, com requintes de crueldade, aqueles que encontraram pelo caminho, sem dar chance de fuga ou defesa".

Leia mais sobre o assunto:

Polícia Civil confirma nove mortos em chacina em Colniza


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 15h37 » MPE pede afastamento e indisponibilidade dos bens de Soares
13.07.18 10h21 » MPE processa ministro e irmãos por supostos danos ambientais
12.07.18 14h38 » MPE quer reduzir verba "inconstitucional" de R$ 25 mil de Emanuel
10.07.18 15h32 » MPE notifica Colégio Plural por show com "músicas impróprias"
09.07.18 11h32 » Eder pagou viagens e dívidas do Mixto com desvios, diz MPE
09.07.18 11h01 » "Auxílio-moradia é uma conquista da categoria", diz Mauro Curvo
03.07.18 08h43 » Promotor recomenda que Estado suspenda concessão da Salgadeira
02.07.18 08h29 » MPE: Percival comprou 1700 cabeças de boi para ocultar dinheiro
01.07.18 17h42 » MPE denuncia Eder, Percival e mais seis por corrupção na Sefaz
Junho de 2018
28.06.18 17h47 » MPE recorre por novo júri e diz que absolvição contrariou provas



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet