Artigos
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Vale ressaltar que a prisão não extingue o débito alimentar, não isentando o devedor de pagar os valores vencidos e vincendos
MPE / ACORDO COM MPE

Tamanho do texto A- A+
04.11.2017 | 09h01
Dona da Unic paga R$ 300 mil por dano ambiental em Cuiabá
Universidade não apresentou estudo de impacto ambiental e de vizinhança aprovado pela Prefeitura
Reprodução
O promotor do Meio Ambiente Gerson Barbosa (detalhe) e a fachada da Unic
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

A Universidade de Cuiabá se comprometeu a pagar R$ 300 mil como forma de ressarcir o dano causado ao meio ambiente na região das construções dos campis Barão de Melgaço, no Porto, e da Beira Rio, no Jardim Europa, em Cuiabá.

O compromisso está previsto no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre a instituição, a Prefeitura de Cuiabá e a 17ª Promotoria de Justiça de Defesa Ambiental, cujo titular é o promotor Gerson Barbosa.

O TAC foi assinado no dia 11 de setembro deste ano.

Segundo o termo, a instituição não teria submetido à aprovação junto à Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano de Cuiabá o estudo e relatório de impacto de vizinhança da unidade Beira Rio.

Já no campus Barão, localizada no Bairro Porto, os estudos sequer foram realizados.

A Universidade deverá dividir em duas parcelas o montante rescisório. As parcelas serão pagas nos meses de janeiro e fevereiro do ano que vem.

Uma das parcelas do montante será destinada ao projeto socioambiental Água para o Futuro e a outra parcela ao Fundo Municipal de Meio Ambiente de Cuiabá.

“Com o pagamento de medida compensatória no valor de R$ 300.000,00, arbitrado pelo Ministério Público mediante os princípios que norteiam a valoração do dano ambiental e a reparação integral do dano”, diz trecho do documento.

O Relatório e Estudo de Impacto de Vizinhança é um documentos obrigatórios antes do início de qualquer construção de grande porte.

A instituição se comprometeu a produzir o projeto até o dia 5 de janeiro de 2018. O documento deve ser entregue à Prefeitura com cópia protocolada na 17º Promotoria de Justiça de Defesa Ambiental.

“Por ocasião da elaboração do ElV [Estudo de Impacto da Vizinhança], deverá ser considerada a sua finalidade precípua de instruir e assegurar o Poder Público acerca da capacidade do meio urbano para comportar a implantação do empreendimento, a fim de que a qualidade de vida da população seja mantida”, diz trecho.

Caso não cumpra o prazo, o Ministério Público estipulou multa de R$ 2 mil diariamente.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
16.08.18 17h50 » Médico agia com ganância e visando lucro fácil, diz MPE do Rio
15.08.18 15h38 » MPE questiona benefício a servidor condenado por esquema na AL
13.08.18 17h06 » MPE exclui hospitais particulares de ação contra judicialização da saúde
13.08.18 13h05 » MPE suspeita de sobrepreço e investiga licitação de R$ 6 mi
10.08.18 15h52 » Promotor instaura inquérito para investigar crise na Santa Casa
10.08.18 10h45 » MPE pede intervenção federal no Estado; TJMT tenta conciliação
08.08.18 15h53 » MPE aciona Estado por lançar esgoto em parque na Capital
07.08.18 09h39 » MPE pede interdição parcial de unidade após surto de doença
06.08.18 15h26 » MPE aciona prefeitura e 21 moradores por construção em APP
04.08.18 10h02 » Justiça interdita food park na avenida do CPA



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet