Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
MPE / “SITUAÇÃO COMUM”

Tamanho do texto A- A+
28.10.2017 | 11h15
MPE investiga suspeita de que servidor da Assembleia é "fantasma"
Procedimento foi instaurado pelo promotor Célio Fúrio; funcionário receberia salário sem trabalhar
MidiaNews
O promotor Célio Fúrio, que instaurou a investigação sobre "fantasmas" na Assembleia
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil para apurar a suspeita de que mais um servidor da Assembleia Legislativa seria "fantasma".

O assessor P.P.F. estaria recebendo salário sem prestar serviço.

O procedimento foi oficializado pelo promotor Célio Fúrio, no último dia 9.

Consta no Portal Transparência da Assembleia que o servidor ocupa o cargo de assessor adjunto na Coordenadoria de Segurança Militar e está lotado na Secretaria Geral da Casa, com salário de R$ 4,8 mil mensais.

Na portaria que oficializou a investigação, Célio Fúrio afirmou que a existência de servidores “fantasmas” é uma situação “muito comum” no Poder Legislativo.

“Considerando o contido neste SIMP 000799-023/2017, relatando que o servidor P.P.F. trata-se de ‘servidor fantasma’, pois atualmente não tem desempenhando as suas atribuições. Tal situação, muito comum na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso”, diz trecho da portaria.

Conforme o MPE, a prática “transgride princípios constitucionais de observância obrigatória para toda a Administração Pública, tais como: a moralidade administrativa, a eficiência, a impessoalidade, entre outros”.

Ao instaurar o inquérito, o promotor determinou que o chefe do Departamento de Recursos Humanos da Assembleia seja notificado para apresentar informações, como a lotação do servidor e onde ele efetivamente presta seus serviços.

Também foi requerida a certidão atualizada da vida funcional e financeira do servidor, com remessa de cópia dos atos administrativos correspondentes.

Por fim, Fúrio solicitou informações relativas à carga horária exercida e detalhes de como é feito o controle de ponto, devendo encaminhar ao MPE cópia das folhas de registro dos últimos seis meses e indicação de quem atestou o comparecimento dele ao serviço.

Outro lado

A Assembleia Legislativa ainda não se posicionou sobre o caso.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"
04.10.18 17h21 » MPE diz que cabo não deve ter atenuante de pena por confissão
04.10.18 08h28 » MPE pede a condenação de ex-comandante geral da PM e mais 2
Setembro de 2018
27.09.18 17h02 » Paciente diz ter ficado cego de um olho após cirurgia; veja o vídeo



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet