Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
MPE / INQUÉRITO CIVIL

Tamanho do texto A- A+
15.10.2017 | 15h02
Após auditoria da CGE, MPE vai investigar convênios da Faesp
Investigação foi instaurada pelo promotor Mauro Zaque, no último dia 11
MidiaNews
O promotor Mauro Zaque, que instaurou investigação
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil para apurar possíveis irregularidades em convênios firmados entre a Universidade de Mato Grosso (Unemat) e a Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faesp), alvo de operação que apura esquema de desvio de dinheiro público.

A investigação foi oficializada pelo promotor Mauro Zaque de Jesus, da 11ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, no último dia 11.

Conforme a portaria assinada por Zaque, o inquérito é fruto de uma auditoria realizada pela Controladoria Geral do Estado (CGE).

O controlador-geral do Estado, Ciro Rodolpho, é quem encaminhou ofício ao MPE contendo um relatório do que foi apurado pelo órgão.

A portaria, contudo, não dá detalhes das eventuais ilegalidades detectadas na auditoria.

Ao que tudo indica, os fatos podem estar relacionados a fraudes detectadas na Operação Convescote, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

Conforme o Gaeco, o esquema era viabilizado por meio de convênios firmados pela Faespe com órgãos como a Assembleia Legislativa, o Tribunal de Contas, além de secretarias de Estado e prefeituras.

A Faesp, por sua vez, subcontratava empresas (algumas delas "fantasmas"), cujos serviços eram pagos com dinheiro público.

Porém, conforme o Gaeco, quem atestava as notas fiscais dos mencionados "serviços" era um funcionário da própria Faesp e não um servidor público escalado para fiscalizar e supervisionar citados convênios.

Leia mais sobre o assunto:

Gaeco diz que servidor do TCE controlava empresas fantasmas

Corregedoria do TCE investigará servidores alvos de operação

Botelho diz que AL faz auditoria em convênio de R$ 100 milhões

"O crime é o modo de vida das pessoas envolvidas", diz juíza

Suspeito usava caixa do Sicoob no TCE para fazer transações

Gaeco: grupo desviou mais de R$ 3 milhões da AL, TCE e Sinfra

Juíza: oficial tentou subornar servidora para acessar inquérito

Gaeco prende mulher de ex-vereador, servidor do TJ e mais nove

Convênio entre AL e Faespe prevê pagamento de R$ 100 milhões

Veja a relação dos 11 acusados de esquema presos pelo Gaeco


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 14h57 » Gaeco: delegado e policiais usavam sacolas para asfixiar vítimas
16.10.18 14h42 » Loja manda deficiente auditivo desbloquear cartão por telefone
16.10.18 11h19 » Gaeco prende delegado e investigadores por suspeita de tortura
15.10.18 17h55 » MPE vê inconsistência em monitoramento; juiz pede explicação
10.10.18 16h10 » Casa noturna diz que cabo frequentou o local em horário proibido
05.10.18 15h53 » MPE vai usar drones contra a compra de votos e boca de urna
05.10.18 15h25 » MPE: Zaqueu criou Núcleo de Inteligência para "satisfação pessoal"
04.10.18 17h21 » MPE diz que cabo não deve ter atenuante de pena por confissão
04.10.18 08h28 » MPE pede a condenação de ex-comandante geral da PM e mais 2
Setembro de 2018
27.09.18 17h02 » Paciente diz ter ficado cego de um olho após cirurgia; veja o vídeo



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet