Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPE / PRISÕES NOS “GRAMPOS”

Tamanho do texto A- A+
27.09.2017 | 16h21
AMMP diz que conduta de Perri em ignorar MPE é “inaceitável”
Turin afirmou que alegação de desembargador foi genérica e que órgão tem direito de opinar
Alair Ribeiro/MidiaNews
O promotor de Justiça Roberto Turin, presidente da AMMP: alegação "genérica"
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A Associação Mato-grossense do Ministério Público (AMMP) classificou como “inaceitável” a conduta do desembargador Orlando Perri em não solicitar parecer do Ministério Público antes de decretar as prisões, buscas e condução da Operação Esdras, deflagrada nesta quarta-feira (27).

A operação apura esquema de interceptações clandestinas no Estado, que era viabilizado pela prática da “barriga de aluguel”, quando números de telefones de cidadãos comuns, sem conexão com uma investigação, são inseridos em um pedido de quebra de sigilo telefônico à Justiça.

Tiveram a prisão decretada o coronel Airton Benedito Siqueira Junior, secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos; o delegado Rogers Jarbas, secretário Estado de Segurança Pública; o coronel Evandro Lesco, ex-chefe da Casa Militar; o advogado Paulo Taques, ex-chefe da Casa Civil; a personal trainer Helen Chrsity Carvalho Dias Lesco, esposa de Lesco; o major Michel Ferronato; o sargento João Ricardo Soler e o empresário José Marilson da Silva.

Na decisão, Perri justificou que a não solicitação de parecer do MPE visou manter as medidas em sigilo, uma vez que existem suspeitas de que integrantes do órgão também integrariam a organização criminosa.

Todavia, a AMMP – presidida pelo promotor de Justiça Roberto Turin – disse, em nota, que a alegação do desembargador foi “genérica”.

O argumento é inaceitável! O direito de vista para parecer prévio garantido na lei pertence à instituição e não aos seus integrantes

“O argumento é inaceitável! O direito de vista para parecer prévio garantido na lei pertence à instituição e não aos seus integrantes.  Se há elementos probatórios que qualifiquem a suposta alegação do envolvimento de Promotores de Justiça nos fatos delituosos, cabe à autoridade judiciária, por obrigação legal, encaminhá-los imediatamente a quem detém atribuição constitucional para investigar os fatos sem jamais, a pretexto disso, subtrair do titular da ação penal o direito de se posicionar, de forma prévia e imparcial, sobre os pedidos cautelares pleiteados pela delegada de polícia”, diz trecho da nota.

Desta forma, para a AMMP, Perri acabou lançando “suspeitas infundadas e levianas sobre todos os Membros do Ministério Público”.

“O julgador acaba prestando um desserviço à própria Justiça, até porque, quando um magistrado é acusado de vender decisão, nem por isso a desconfiança deve recair sobre a seriedade dos demais integrantes do Poder Judiciário. Os Promotores e Procuradores de Justiça de Mato Grosso estão disponíveis e não temem ser investigados, desde que feito licitamente, por quem de direito e em respeito à legislação vigente e ao devido processo legal”, diz outro trecho.

Leia a íntegra da nota:

"A ASSOCIAÇÃO MATO-GROSSENSE DO MINISTÉRIO PÚBLICO – AMMP, entidade de classe dos Promotores e Procuradores de Justiça do Estado de Mato Grosso, torna público os seguintes esclarecimentos.

Na decisão que decretou a prisão preventiva de Secretários, ex-Secretários, Oficiais da Polícia Militar e advogados, o Des. Do TJMT Orlando de Almeida Perri justificou a ausência da prévia manifestação do Ministério Público no pedido feito pela autoridade policial com a alegação genérica do suposto envolvimento de Promotores de Justiça que teriam sido cooptados pela organização criminosa investigada.

O argumento é inaceitável!

O direito de vista para parecer prévio garantido na lei pertence à INSTITUIÇÃO e não aos seus integrantes.

Se há elementos probatórios que qualifiquem a suposta alegação do envolvimento de Promotores de Justiça nos fatos delituosos, cabe à autoridade judiciária, por obrigação legal, encaminhá-los imediatamente a quem detém atribuição constitucional para investigar os fatos SEM jamais, a pretexto disso, subtrair do titular da ação penal o direito de se posicionar, de forma prévia e imparcial, sobre os pedidos cautelares pleiteados pela delegada de polícia.

Quando isso não ocorre, além de lançar suspeitas infundadas e levianas sobre todos os Membros do Ministério Público, o julgador acaba prestando um desserviço à própria Justiça, até porque, quando um magistrado é acusado de vender decisão, nem por isso a desconfiança deve recair sobre a seriedade dos demais integrantes do Poder Judiciário.

Os Promotores e Procuradores de Justiça de Mato Grosso estão disponíveis e não temem ser investigados, desde que feito licitamente, por quem de direito e em respeito à legislação vigente e ao devido processo legal".

Leia mais sobre o assunto:

Tenente diz que foi "coagido" por major, Lesco e sua esposa

Tenente-coronel iria gravar Perri com câmera escondida na farda

“O Ministério Público é nosso aliado”, diz coronel investigado

Delegado confirma cumprimento de oito mandados; veja o vídeo

Secretário de Segurança e mulher de coronel são presos

Ex-chefes da Casa Militar e Casa Civil também foram presos

Policia Civil cumpre mandado de prisão de secretário de Justiça


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
12.12.17 14h37 » Tribunal de Justiça bloqueia R$ 227 mil das contas de ex-prefeito
11.12.17 15h10 » Odebrecht devolve R$ 1,2 mi e Conselho do MPE arquiva inquérito
10.12.17 17h00 » “Turma do colarinho branco delata porque não aguenta cadeia”
08.12.17 14h00 » MPE investiga contrato de gestão do Hospital de Rondonópolis
07.12.17 15h52 » MPE diz que vereadores fraudaram lei para beneficiar empresa
05.12.17 18h15 » Promotor recorre ao STJ e pede nova prisão de pastor
05.12.17 14h45 » CNMP não vê irregularidades e arquiva reclamação contra Zaque
04.12.17 16h48 » Gaeco detalha suspeitas contra novos investigados na Convescote
01.12.17 08h21 » MPE notifica Taques a contratar médicos psiquiatras para a Politec
Novembro de 2017
30.11.17 09h50 » Servidor do TCE e ex-secretário da AL são alvos do Gaeco



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet