Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPE / ESCUTAS ILEGAIS

Tamanho do texto A- A+
25.09.2017 | 17h47
MPE: mais três telefones do Gaeco foram grampeados por PMs
Agora, segundo procurador-geral de Justiça, são quatro os terminais ilegalmente interceptados
Alair Ribeiro/MidiaNews
O coordenador do Gaeco, promotor de Justiça Marcos Bulhões
DA REDAÇÃO

Três novos números institucionais do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, que ficavam à disposição do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), foram constatados na lista de ligações interceptadas ilegalmente por policiais militares.

Assim que o “escândalo dos grampos” veio à tona, o MPE já havia verificado um número institucional. Agora já são quatro os números.

O procurador-geral de Justiça, Mauro Benedito Pouso Curvo, afirmou que, devido à “ousadia” demonstrada pelos envolvidos no esquema, não causou surpresa mais esta constatação.

Curvo ressaltou que o Ministério Público é o maior interessado nessas investigações e que vem adotando, dentro de suas atribuições, as providências cabíveis .

Segundo ele, para garantir o princípio da transparência e evitar especulações, enquanto aguarda o compartilhamento das investigações pela Procuradoria Geral da República (PGR), o MPE providenciou auditoria interna e comprovou que nenhum dos números interceptados ilegalmente passou pelo guardião do Gaeco.

A medida foi adotada logo após a instituição verificar que os envolvidos no esquema atuaram no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado.

Conforme o procurador-geral de Justiça, o guardião do Gaeco foi adquirido há mais de 10 anos, é auditável e não deixa margem de dúvidas sobre a sua utilização. Antes da sua aquisição, o Gaeco possuía a Solução Wytron para gravação telefônica, que funcionava por meio de um Kit de canais de gravação.

“No decorrer do Inquérito Policial Militar, fomos indagados pelo encarregado das investigações sobre o funcionamento das interceptações antes da aquisição do guardião do Gaeco. Acreditamos que tal indagação tenha sido motivada pelo fato dos envolvidos no esquema terem utilizado equipamento adquirido pelo mesmo fabricante que atendia a vários órgãos de repressão à criminalidade no país. Fizemos um levantamento e verificamos que em 30 de março de 2007, antes da substituição do Sistema Wytron, as placas então existentes, devido à queima, foram substituídas por uma única placa de 32 canais, a qual difere das duas placas mencionadas na investigação como sendo as utilizadas no 'grampolândia pantaneira'”, informou.

Curvo fez questão de ressaltar que, após a aquisição do guardião e o fortalecimento da sua equipe de trabalho, hoje composta por policiais militares, delegados de polícia, cinco promotores de Justiça e servidores do Ministério Público, o Gaeco priorizou o efetivo combate à corrupção.

“Nos últimos anos, o Gaeco desencadeou 18 grandes operações, tentando passar a limpo a triste página do desvio de recursos públicos no Estado de Mato Grosso”, observou.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
15.12.17 09h01 » MPE investiga conselheiro que deixou posto para fazer concurso
13.12.17 11h17 » MPE instaura inquérito contra Savi e Silval por suposto esquema
13.12.17 09h07 » CNMP arquiva reclamação contra dois procuradores de MT
12.12.17 14h37 » Tribunal de Justiça bloqueia R$ 227 mil das contas de ex-prefeito
11.12.17 15h10 » Odebrecht devolve R$ 1,2 mi e Conselho do MPE arquiva inquérito
10.12.17 17h00 » “Turma do colarinho branco delata porque não aguenta cadeia”
08.12.17 14h00 » MPE investiga contrato de gestão do Hospital de Rondonópolis
07.12.17 15h52 » MPE diz que vereadores fraudaram lei para beneficiar empresa
05.12.17 18h15 » Promotor recorre ao STJ e pede nova prisão de pastor
05.12.17 14h45 » CNMP não vê irregularidades e arquiva reclamação contra Zaque



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet