Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
MPE / SUSPEITA DE IMPROBIDADE

Tamanho do texto A- A+
05.09.2017 | 11h21
Promotor abre inquérito contra 5 militares envolvidos em grampos
Roberto Turin deu prazo de dez dias para que os policiais prestem declarações sobre os fatos
Alair Ribeiro/MidiaNews
O promotor Roberto Turin, que instaurou inquérito contra militares
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O promotor de Justiça Roberto Turin determinou a instauração de um inquérito por improbidade administrativa contra cinco militares envolvidos no esquema de escutas clandestinas operado pela Polícia Militar em Mato Grosso.

São alvos da investigação o ex-comandante da PM, coronel Zaqueu Barbosa, o ex-secretário de Estado da Casa Militar, Evandro Lesco, o coronel Ronelson Jorge de Barros, o tenente-coronel Junuário Antônio Edwiges e o cabo Gerson Luiz Ferreira Correa Junior.

O inquérito foi instaurado na última sexta-feira (1).

Os policiais já respondem a outra ação na esfera penal, onde já foram denunciados pelo Ministério Público Estadual.

Na portaria que oficializou a investigação, o promotor citou suspeitas de que os militares tenham cometido crimes no exercício de suas funções, na medida em que participaram de esquema ilegal de interceptação telefônica “grampos”.

Turin deu prazo de dez dias úteis para que os militares prestem declarações por escrito ou ofereçam subsídios para o esclarecimento dos fatos.

Atualmente, estão presos o coronel Zaqueu Barbosa e o cabo Gerson Correa, que já foram apontados pelo desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça, como os principais responsáveis pelo esquema de grampos.

As prisões preventivas dos coronéis Evandro Alexandre Lesco e Ronelson Barros foram revogadas, em agosto, também por Perri.

Na ocasião, o magistrado determinou o cumprimento de prisão domiciliar, bem como uso de tornozeleira eletrônica. Ambos estão afastados de suas funções institucionais, proibidos de entrar em contato com outros réus e testemunhas e não podem se ausentar da Comarca de Cuiabá.

O tenente coronel Junuário Antônio Edwiges foi solto ainda no mês de junho, também por decisão do desembargador Orlando Perri.

Leia mais sobre o assunto:

Perri: Coronel e cabo são principais responsáveis por grampos

Desembargador decide colocar dois coronéis da PM em liberdade


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
13.12.17 11h17 » MPE instaura inquérito contra Savi e Silval por suposto esquema
13.12.17 09h07 » CNMP arquiva reclamação contra dois procuradores de MT
12.12.17 14h37 » Tribunal de Justiça bloqueia R$ 227 mil das contas de ex-prefeito
11.12.17 15h10 » Odebrecht devolve R$ 1,2 mi e Conselho do MPE arquiva inquérito
10.12.17 17h00 » “Turma do colarinho branco delata porque não aguenta cadeia”
08.12.17 14h00 » MPE investiga contrato de gestão do Hospital de Rondonópolis
07.12.17 15h52 » MPE diz que vereadores fraudaram lei para beneficiar empresa
05.12.17 18h15 » Promotor recorre ao STJ e pede nova prisão de pastor
05.12.17 14h45 » CNMP não vê irregularidades e arquiva reclamação contra Zaque
04.12.17 16h48 » Gaeco detalha suspeitas contra novos investigados na Convescote



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet