Artigos
  • RENATO NERY
    Não é sem motivo que se tornou um grande jornalista. Não sei se ele perseguia as notícias ou se estas o perseguiam
  • LEOMAR DARONCHO
    A “Reforma” não toca na questão do aperfeiçoamento e das possibilidades da efetiva atuação sindical
MPE / SERRA DE RICARDO FRANCO

Tamanho do texto A- A+
20.04.2017 | 14h19
Extinção de parque "tem viés político", diz procurador
Representante do Ministério Público Estadual vai tentar reverter decisão da Assembleia
Reprodução
O procurador Luiz Alberto Esteves Scaloppe (detalhe), que atua na Defesa Ambiental
DA REDAÇÃO

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso informou nesta quinta-feira (20), que adotará todas as medidas para evitar a extinção do Parque Estadual Serra de Ricardo Franco.

O anúncio foi uma resposta à Assembleia Legislativa, que aprovou ontem (19), em primeira votação, o projeto de decreto legislativo 02/2017, que sustou os efeitos de um decreto de 20 anos atrás, criando o parque.

“É lamentável que um deputado e professor de Direito apresente uma proposta totalmente contrária ao princípio constitucional do Não Retrocesso Ambiental. Além de decepcionado, suspeito que a atitude desse parlamentar tenha um viés totalmente político, onde uma minoria será beneficiada em detrimento de todo o Estado”, afirmou o titular da Procuradoria de Justiça Especializada em Defesa Ambiental e da Ordem Urbanística, Luiz Alberto Esteves Scaloppe.

O procurador de Justiça afirmou que a notícia da possível extinção do Parque Estadual Serra de Ricardo Franco causou indignação, não apenas ao Ministério Público Mato-grossense, mas também à Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente.

“Esse assunto, que tanto nos envergonha, será apresentado à Rede Latino Americana de Ministério Público Ambiental. Não vamos nos calar diante desse retrocesso que fere de morte à Constituição Federal”, afirmou.

Na próxima segunda-feira, representantes do Ministério Público em Cuiabá, Vila Bela da Santíssima Trindade e  Cáceres vão se reunir com o vice-governador Carlos Fávaro e com o procurador-geral do Estado, Rogério Galo, para definir estratégias que possam barrar a  proposta de extinção e garantir o manejo do Parque e a efetivação de sua regularização.

O parque estadual tem cerca de 158 mil hectares e abriga espécimes do Cerrado, Amazônia e Pantanal. Em dezembro de 2016, esteve no centro do noticiário nacional em razão do bloqueio de bens do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, cujos bens foram bloqueados em razão de danos ambientais em sua fazenda, localizada dentro da unidade de conservação.

Projeto

O projeto de lei é de autoria das lideranças partidárias e foi aprovado em primeira votação, restando apenas a segunda para entrar em vigor.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2017
25.06.17 16h36 » Empresa alvo do Gaeco promoveu "vexame" em concurso
25.06.17 16h35 » “Essa primeira fase é apenas um aperitivo”, diz chefe do Gaeco
21.06.17 17h40 » Chefe do MP diz que fala de ministro sobre grampos é "equivocada"
14.06.17 09h22 » MPE investiga nepotismo entre prefeito e presidente da Câmara
14.06.17 09h20 » Cira recupera R$ 776,3 milhões aos cofres públicos em 2 anos
13.06.17 08h52 » MPE aciona Emanuel e Mauro por descumprirem decisão
12.06.17 08h47 » Lava Jato pode atrasar investigação de grampos, avalia Curvo
12.06.17 08h31 » Promotor apura supostas irregularidades em contratos
05.06.17 14h20 » MPE instaura inquérito para apurar concessão a restaurantes
05.06.17 08h34 » CPI é prorrogada, mas conclusão será sem oitiva de Prado



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet