Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Em qualquer esfera do Poder Público, o cidadão não pode ficar submisso às regras desprovidas de razoabilidade
MPE / ESTUDOS E PROPOSTAS

Tamanho do texto A- A+
05.04.2017 | 18h19
Fórum busca reduzir judicialização da saúde
Dificuldade de acesso, falta de serviços e remédios e até de informações fazem cidadão buscar a Justiça
Reprodução
MPE apresentou como proposta a ser estudada pelo Fórum
DA ASSESSORIA

Integrantes do Fórum Permanente de Estudos e Propostas sobre a Judicialização da Saúde reuniram-se na manhã desta quarta-feira (5), na sede da Procuradoria-Geral de Justiça de Mato Grosso, para discutir medidas já adotadas pelos órgãos participantes do Fórum e as que ainda precisam ser implementadas para que o cidadão não tenha que recorrer à Justiça para realizar cirurgia, conseguir atendimento em home care ou ter acesso a uma medicação específica.

A dificuldade em obter determinado procedimento na área de saúde, a ausência de serviços ou medicamentos na rede pública de saúde e até mesmo a falta de informações por parte dos usuários têm feito com que o cidadão acesse cada vez mais a Justiça para receber atendimento, abarrotando o judiciário e onerando, em escala crescente, os cofres públicos. Só em 2016 foram bloqueados do Estado de Mato Grosso R$ 100 milhões para atender liminares relativas a atendimentos e procedimentos médicos.

O procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, apresentou como proposta a ser estudada pelo Fórum, a criação de uma tabela com preços máximos de pagamento para os procedimentos de saúde que forem alvo de judicialização. Isso porque entre a decisão da Justiça e o cumprimento da liminar existem as empresas que se aproveitam da situação para definir preços, na maioria das vezes altíssimos, para realizar o procedimento, o que acaba onerando o erário.

“Enquanto o sistema não funciona da maneira que deveria ser, temos que encontrar um parâmetro, ou seja, um valor razoável a ser pago pelo procedimento, não pode continuar da maneira que está”, ponderou o procurador-geral.

O secretário de Saúde do Estado, Luiz Soares, que participa pela primeira vez do Fórum, elogiou a iniciativa de reunir todos os envolvidos no tema para discutir e encontrar soluções para reduzir o número de ações na Justiça envolvendo questões de saúde. “A inciativa é excelente, estou aqui para somar esforços em defesa da população de Mato Grosso. Um dos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) é a solidariedade. E é exatamente esta solidariedade que estou vendo aqui neste Fórum. Assumi a secretaria tem poucos dias, mas sei que a judicialização é um dos nossos grandes gargalos e temos que enfrentá-la”, destacou.

O procurador de Justiça Edmilson da Costa Pereira, da Procuradoria Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor, defendeu que antes de judicializar uma ação solicitando determinado procedimento de saúde ou uma medicação, é preciso exaurir todos os procedimentos administrativos existentes, o que na avaliação dele, não vem acontecendo. “Só para citar um exemplo, de 120 ações trabalhadas na procuradoria em que eu atuo, de 20 a 25, no máximo, o procedimento administrativo foi até o final. É preciso criar portarias regulamentando o atendimento. É preciso um controle interno maior. Hoje, pelo que vemos, é mais importante para alguns setores a judicialização. Temos que trabalhar no sentido de verificar se o procedimento administrativo se exauriu na perspectiva do cidadão, caso contrário, continuaremos com dezenas e dezenas de liminares”.

No sentido de auxiliar os magistrados o Tribunal de Justiça encaminhou ofícios a todas as comarcas do Estado com uma série de orientações. “O Tribunal de Justiça tem trabalhado no sentido de aproximar as comarcas da Secretaria de Estado de Saúde, para que os juízes possam recorrer a secretaria para buscarem informações ou tirarem dúvidas antes de conceder determinada decisão”, explicou a assessora Neucimeire Oliveira.

A defensora pública Synara Vieira Gusmão, destacou que concorda que há abusos, principalmente por parte de empresas que querem lucrar com a judicialização da saúde, por outro lado, porém, “é preciso ter em mente que temos o paciente na outra ponta esperando atendimento. Temos que fiscalizar sim, mas não podemos burocratizar demais o processo, porque isso pode significar salvar ou não a vida de alguém”.

Participaram também da reunião representantes da Procuradoria-Geral do Estado de Mato Grosso, Tribunal de Contas do Estado, Controladoria-Geral do Estado, Prefeitura Municipal de Cuiabá, Procuradoria-Geral do Município de Cuiabá, Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá, além dos promotores de Justiça Alexandre Guedes, da 7ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania de Cuiabá, e Célio Fúrio, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
24.05.18 10h37 » MPE notifica Cuiabá para comprovar matrícula de 736 crianças
23.05.18 10h01 » MPE denuncia prefeito por dispensa indevida de licitação em MT
23.05.18 09h55 » MPE pede para manter prisões de Kobori, Roque e irmãos Taques
23.05.18 09h53 » MPE arquiva investigação contra prefeito por nepotismo
21.05.18 11h50 » Chefe do MPE diz que AL não tem prerrogativa para soltar Savi
18.05.18 14h57 » Esposa “lavou” R$ 299 mil de propina da EIG para Henry, diz MPE
18.05.18 14h32 » MPE: “Ninguém é denunciado sem que haja elementos mínimos”
17.05.18 17h14 » MPE: deputados receberam R$ 186 mil para não fiscalizar contrato
16.05.18 18h05 » MPE denuncia sete deputados e mais 51 pessoas na Bereré
13.05.18 17h15 » Kobori nega que Paulo e Jorge Taques tenham exigido propina



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet