Artigos
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    Sabemos que há individualidade por haver uma historicidade vivida por cada qual
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
05.06.2018 | 10h25
(Des)Incentivo ao emprego
Crises motivaram a espionagem, tortura e declaração de guerra sem aprovação do Congresso
VICTOR MAIZMAN

Como era de se esperar, as guerras e crises foram os grandes aliados do governo central, sempre aproveitando este momento e expandindo seus tentáculos à revelia das leis.

A história mostra que as crises motivaram a espionagem, tortura, declaração de guerra sem aprovação do Congresso, confisco de ouro, censura, decretos-lei, inúmeros atos e medidas do governo federal que fariam os autores da Constituição ter calafrios.

Pois bem, em contrapartida da renúncia fiscal do Governo Federal para reduzir o preço dos combustíveis, o Presidente da República revogou benefícios que incidiam sobre a tributação dantes concedidos para algumas categorias empresariais, cujo objetivo era minimizar o desemprego.

Costuma-se dizer que, para cada R$ 1,00 que a empresa paga de salário, outro R$ 1,00 é gasto com o pagamento de encargos trabalhistas

É certo que o custo com encargos trabalhistas é particularmente alto. E quando menciono tais encargos, não estou falando do salário pago ao empregado, mas sim do tributo que o empregador paga aos cofres públicos incidente sobre tal remuneração.

Em regra, o empregador é obrigado a pagar de tributo denominado de contribuição previdenciária o equivalente a 20% sobre a remuneração paga ao empregado, ou seja, quanto mais empregado o empregador tiver, ou quanto maior a remuneração paga à aquele, maior será o tributo suportado por aquele que está concedendo o emprego.

Costuma-se dizer que, para cada R$ 1,00 que a empresa paga de salário, outro R$ 1,00 é gasto com o pagamento de encargos trabalhistas. Esse número, porém, não é preciso, dependendo assim, do tipo de empresa, do sistema de tributação, do investimento necessário com contratação e formação, etc.

E, mais ainda, não foi considerado o custo de controle da mão de obra, com as exigências do Ministério do Trabalho, anotação e acompanhamento de controle de ponto, adequação e acompanhamento das normas de segurança no trabalho, o próprio cálculo da folha de pagamento e de rescisões, emissão de documentos, custos com uniformes, com alimentação, com transporte, enfim, o custo de empregar é geralmente muito mais alto do que aquele percebido pelo empregado e imaginado pelo empregador, ressaltando, contudo, que não estou defendendo que normas de controle e segurança não deveriam existir, apenas enfatizando que são custosas.

Porém a Constituição Federal impõe que o Poder Público deve incentivar a criação e manutenção do emprego, uma vez que a empregabilidade contribuiu diretamente para reduzir as desigualdades sociais.

Nesse sentido, tributar a folha de pagamento é na verdade um desestímulo a própria geração de emprego, fato que resulta ao meu ver, na flagrante inconstitucionalidade de tal exigência.

Do exposto, deve se chamar a atenção que a Constituição Federal não pode ser lida e interpretada apenas como uma letra morta totalmente ineficaz, mas sim que venha a ter resultados práticos em prol de toda a sociedade.

VICTOR HUMBERTO MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2018
17.11.18 11h27 » Multa por fidelidade é legal?
13.11.18 16h54 » Abuso das bandeiras tarifárias
13.11.18 16h50 » Quem sou, quem és?
12.11.18 16h03 » Direito de idosos: Isenção de IPTU
12.11.18 10h15 » Vida útil do bem durável
12.11.18 08h56 » Mais transparência para a OAB
12.11.18 08h53 » A evolução do agro
10.11.18 09h33 » O que o Ideb nos diz?
09.11.18 16h05 » A aposentadoria do motorista e suas vantagens
09.11.18 15h59 » A evolução do agro e a estagnação do Estatuto da Terra



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet