Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Poder Público deve enxergar aqueles que são a quase totalidade do setor produtivo do nosso Estado
  • JULIANO RIZENTAL
    Em MT, o regimento do TCE disciplinou que outros atores sociais podem dar início a processos de fiscalização
  • CARLOS ARECO
    O impacto criminal do decreto estadual n. 08/2019 e o artigo 96 da lei de licitações nº.8.666/93
Artigos / PÉRSIO OLIVEIRA LANDIM

Tamanho do texto A- A+
28.05.2018 | 16h46
Caminhoneiros e a força do agro
O protesto evidenciou o quanto a agricultura assume protagonismo em nossas vidas
PÉRSIO OLIVEIRA LANDIM

O agro brasileiro alimenta o mundo, sua importância fica ainda mais evidenciada em ações como a greve dos caminhoneiros que paralisou o país ao inviabilizar que as riquezas do campo chegassem à mesa. A coletiva cruzada de braços nas estradas afetou o agro ao mesmo tempo em que deixou visível o quanto nossa produção rural é vital.

As principais reivindicações da categoria são: redução de impostos sobre o preço do óleo diesel, como PIS/Cofins e ICMS, e o fim da cobrança de pedágios dos caminhões que trafegam vazios nas rodovias federais concedidas à iniciativa privada.

O agro sofre, mas em seu sofrimento a dor é coletiva e exterioriza o seu imensurável valor

Paralisações sincronizadas causaram desabastecimentos nos supermercados, em especial nos itens de frutas, legumes, leite e verduras, que são perecíveis e de abastecimento diário. A escassez fez com que os produtos registrem grande alta de preços

O protesto evidenciou além do preço descomedido dos combustíveis, mas o quanto a agricultura assume protagonismo em nossas vidas e na economia. Momento de reflexão e valorização do produtor e da produção rural.

61% da carga do país é transportada por rodovias, o alto valor do diesel é um dos problemas enfrentados diariamente no campo, a falta de outros modais e a má condição das estradas também oneram e deixam tortuosos os trabalhos dos que investem no setor rural.

Os Estados Unidos e a Europa combinam rodovia com ferrovia, países que foram colonizados pela Inglaterra têm esse modelo presente, já os de colonização portuguesa não investiram na malha férrea para pulverizar o transporte.

O agro sofre, mas em seu sofrimento a dor é coletiva e exterioriza o seu imensurável valor.

Um país politicamente instável que tem na democracia a liberdade de funcionar sob os efeitos de protestos faz com que os produtores, responsáveis pela estabilidade econômica do país, convivam com o frequente sentimento de instabilidade. Reflexo que o Brasil precisa rever suas prioridades do campo ao transporte, do transporte ao consumidor. O grito faz necessário para despertar o perecível silêncio.

PÉRSIO OLIVEIRA LANDIM é advogado, especialista em Direito Agrário.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
22.02.19 11h32 » O pequeno empreendimento
22.02.19 11h31 » Atuação do MPE perante o TCE
22.02.19 11h29 » PPP como alternativa à crise
22.02.19 11h22 » Decreto Estadual 08/2019
20.02.19 10h14 » Concessão de terras públicas
20.02.19 09h17 » WhatsApp e Dano Moral
20.02.19 09h15 » A lei é para todos ou não?
18.02.19 16h41 » O ICMS na conta de energia
18.02.19 16h38 » Fisco e artifícios
16.02.19 10h03 » Não adianta espernear



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet