Artigos
  • VILSON NERY
    Li as propostas dos três candidatos, e separei as palavras “agricultura” e agronegócio” em seu contexto no plano de governo, para dar qualidade à minha pretensão
  • JOÃO PAULO OLIVEIRA
    No processo eleitoral atual há uma enorme preocupação com relação a informações falsas que são passadas no que tange a uma série de situações e candidatos
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
28.03.2018 | 10h49
Tributar o consumo é fácil
Há décadas se discute uma reforma tributária, mas vislumbramos avanços no tema
VICTOR MAIZMAN

Há décadas a reforma tributária está na agenda do parlamento brasileiro, porém anos se passam, legislaturas se passam e não vislumbramos avanço sobre a questão.

Aliás, em ano eleitoral a inclusão da reforma tributária na plataforma de propostas é recorrente.

Mas então cabe a indagação se alguém pensa que a reforma tributária seria para diminuir a sopesada carga tributária que recai sobre o cidadão.

De fato, quando os governantes depois de eleitos percebem o tamanho do rombo nas contas públicas, buscam sobremaneira reformar o sistema tributário para maximizar a arrecadação.

A Constituição Federal embora não proíba a tributação sobre o consumo impõe duas grandes regras ao legislador que devem ser sempre observadas

Pois bem, de acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), hodiernamente o contribuinte paga em média 63 tributos entre impostos, taxas e contribuições, sendo que a maioria recai sobre o consumo.

O levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), órgão internacional que reúne 34 países e que promove políticas de desenvolvimento econômico e bem-estar social, no Brasil do total dos tributos arrecadados, cerca de 65% incidem sobre o consumo. A carga tributária na renda, por exemplo, é pouco mais de 20%.

Partindo para o lado prático, nota-se que a maior fonte de arrecadação do Estado é o ICMS sobre o consumo de energia elétrica, de comunicação e combustíveis, ou seja, exatamente sobre produtos e serviços essenciais ao contribuinte.

Porém, a Constituição Federal embora não proíba a tributação sobre o consumo impõe duas grandes regras ao legislador que devem ser sempre observadas.

A primeira é de que sempre que possível deve ser atendida a capacidade contributiva do contribuinte. É a regra de quem tem o maior patrimônio e renda deve pagar mais tributos.

A outra imposição constitucional é no sentido de que quanto mais essencial o produto ou serviço ao consumidor, menor deverá ser a carga tributária.

Nesse sentido, fica fácil vislumbrar que no tocante a arrecadação de ICMS sobre os produtos e serviços essenciais deve ter a menor carga tributária possível, sob pena de violar a Constituição Federal.

Do exposto, enquanto não forem observadas as limitações constitucionais no poder de tributar, fica cada vez mais fácil tributar o próprio consumo, uma vez que ninguém vive sem luz, telefone, internet e combustíveis.

VICTOR MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
20.09.18 11h00 » O agronegócio e a eleição
19.09.18 10h38 » Fake News e Eleições
18.09.18 18h01 » A relevância da vistoria inicial e final nos contratos de locação
18.09.18 17h55 » As agências reguladoras
18.09.18 17h49 » Para reter talentos é preciso integridade
11.09.18 09h07 » Absenteísmo e violência doméstica
11.09.18 09h00 » Contribuição de limpeza pública
05.09.18 09h39 » Nova dinâmica do inquérito
04.09.18 10h55 » A incomunicabilidade dos jurados
04.09.18 10h52 » De olho no mural



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet