Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    A data tão esperada de 20 de dezembro se aproxima, momento em que para os que trabalham com o Direito quase tudo para
  • LEONARDO CAMPOS
    Fim do Exame de Ordem vai à contramão do desejo da sociedade
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
07.03.2018 | 08h48
Dogmas e o Direito
A Constituição fixa regras e princípios que prevalecem sobre toda e qualquer lei municipal, estadual e federal
VICTOR MAIZMAN

Alguém sustenta que dogma é tudo aquilo que tememos entender ou contestar. Na ciência do Direito estamos cercados de conceitos dogmáticos que merecem reflexão.

Realmente um dos dogmas mais comuns é aquele em que a lei não se discute, deve ser cumprida. Porém, tal enunciado comporta alguns questionamentos.

Pois bem, dentro da nossa sistemática jurídica normativa, a Constituição Federal fixa regras e princípios que prevalecem sobre toda e qualquer lei municipal, estadual e federal.

Uma lei inconstitucional pode não ser cumprida, desde que afastados seus efeitos por ordem judicial

Aliás, a Constituição Federal tem o papel de no campo tributário determinar quem é que pode instituir tributos e quais os tributos possíveis de serem exigidos. Trata-se do conceito de competência tributária.

Além da regra de competência, a Constituição Federal impõe limites ao Poder Público quanto ao poder de tributar, ou seja, com uma mão autoriza a instituição de tributos e, com a outra, impõe limites.

Um dos vários exemplos dessa limitação é o fato de que resta defeso a administração fiscal exigir tributo de forma retroativa, devendo assim, apenas ser exigido posteriormente a sua instituição. A mesma regra vale quando há aumento da carga tributária.

Nesse sentido, se o Município, o Estado ou a União instituir através de lei um tributo para ser exigido de forma retroativa, haverá necessariamente violação da respectiva lei frente ao Princípio da Irretroatividade, conforme assegurado na Constituição Federal.

É claro que enquanto não for afastada pelo Poder Judiciário a validade de tal lei inconstitucional, não restará outra solução para o contribuinte, senão, ficar submetido aos efeitos de tal norma.

Assim, uma lei inconstitucional pode não ser cumprida, desde que afastados seus efeitos por ordem judicial, inclusive através de medidas urgentes, uma vez que é pedra de toque em nossa Constituição Federal de que lesão ou ameaça a direito, deve ser sempre tutelada pelo Poder Judiciário, quando assim provocado.

Portanto, se é certo de que a lei deve ser sempre cumprida, não mesmo escorreita é a condição de que a mesma deve estar em consonância com a Constituição Federal.

VICTOR MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
13.12.18 16h12 » Isenção do IR para professores
13.12.18 16h09 » Desmatamento zero: retrocesso
13.12.18 16h05 » Recesso: foi bom para você?
13.12.18 16h00 » OAB
11.12.18 08h32 » Fundos e mais fundos
11.12.18 08h29 » Reforma Tributária: “Só ouço falar...”
11.12.18 08h26 » Combate ao Crime Organizado
10.12.18 16h24 » O destino do Direito Penal
10.12.18 16h18 » Tempos de ética e de caráter
06.12.18 16h28 » Estado: indutor do desenvolvimento



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet