Artigos
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
Artigos / IRAJÁ LACERDA

Tamanho do texto A- A+
28.02.2018 | 16h01
Agronegócio não está tão pop
Nosso país está se tornando um país de muitos direitos e poucos deveres!
IRAJÁ LACERDA

O Agronegócio é o setor que movimenta todo País, aliás é o setor mais importante de nosso País. É ele que movimenta a economia. É ele que coloca a comida na mesa de todos os brasileiros. Se você come pão, arroz, feijão, carne, pipoca do final de semana, legumes, frutas, verduras, leite, suco, café, enfim, todos os produtos necessários a existência do homem, tem alguém do Agro que trabalhou para isso.

E acreditem! Ambientalistas, ministério público e, membros de fundações e ONGs afins, também são seres humanos e comem esses produtos que o Agro produz e, coloca na mesa deles também. O que vem ocorrendo nesses últimos 3 anos no Brasil chega a assustar e deveria chamar a atenção da ABIN.

Existe hoje em nosso País uma campanha velada contra o Agronegócio, que é um setor que vem de vento em polpa, incomodando as grandes potências mundiais. Esse setor que, ao meu ver, é composto de homens guerreiros, desbravadores, que não vivem à custa do governo, são verdadeiros heróis nacionais e, estão sendo transformados em grandes vilões nacionais.

Existe hoje em nosso País uma campanha velada contra o Agronegócio, que é um setor que vem de vento em polpa, incomodando as grandes potências mundiais

A pergunta que eu de toda forma não consigo responder é “por quê?”. Há alguns dias fomos testemunhas do julgamento do STF na questão do FUNRURAL e, agora estamos vendo o julgamento do código florestal sob cheque, colocando em risco as pequenas propriedades, aumentando o custo da produção e, novamente me vem à cabeça a pergunta “por quê?!” Será que sou só eu que estou vendo?!

Perguntas vêm me incomodando ao longo desses meses. Por quê ONGs tem tanto interesse em nosso país e não vão cuidar de seus países de origem? Por que tantos estudiosos estão no Amazonas?

Por que tanto financiamento internacional nessas campanhas contra o setor? Por quê existe essa campanha assombrosa e covarde tentando colocar a população contra o Agronegócio? Por que tantas reservas indígenas?

Por que tantas áreas para quilombolas? Por que tantos parques? Tantas áreas de restrição? E por que ainda ninguém mediu o custo de todas essas criações alucinantes e desenfreadas de um bando de aloprados irresponsáveis? Por quê? Será que sou só eu que estou vendo tudo isso?

É as vezes me sinto um estrangeiro dentro do meu próprio país. Nosso país está se tornando um país de muitos direitos e poucos deveres! Espero que o agronegócio acorde, se organize e se una para essa guerra anunciada.

IRAJÁ LACERDA é Advogado e Presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB/MT.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
20.10.18 11h53 » Por que não tributar?
19.10.18 10h24 » Imposto sobre herança ou doação
17.10.18 09h27 » Ainda sobre o Fethab
17.10.18 09h25 » Motivações da Justiça
16.10.18 08h43 » Discovery: em busca da paridade negocial
16.10.18 08h40 » MT: o agro que representa o Brasil
11.10.18 18h34 » Terceirização irrestrita
10.10.18 10h20 » Eleitor, o grande vencedor
09.10.18 11h30 » Majoração suspensa
09.10.18 11h30 » Negativação indevida e dano moral



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet