Artigos
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
Artigos / VILSON NERY

Tamanho do texto A- A+
24.02.2018 | 09h26
Receita Ordinária Líquida do Tesouro
Poderes e órgãos autônomos consomem 30% da receita de MT
VILSON NERY

O Conselho Nacional de Secretários Estaduais do Planejamento (Conseplan) resolveu pesquisar o orçamento de 26 estados, excluído o Distrito Federal por obedecer a regras próprias, buscando saber como se comporta o repasse de recursos financeiros para os poderes e órgãos autônomos, assim reconhecidos pela Constituição Federal.

Deste modo foram analisados os orçamentos disponibilizados ao Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública de cada unidade federada.

Os dados a que nos referimos são do ano de 2016, e mostram a participação dos poderes e órgãos com autonomia, nas receitas orçamentária dos estados brasileiros.

A investigação incidiu sobre a Receita Ordinária Líquida do Tesouro (ROLT), que é a soma dos recursos ordinários efetivamente disponíveis aos Estados para suprirem a demanda da coletividade, conforme classificação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) nos termos da Portaria nº 163/2001.

Compõe o ROLT os impostos próprios arrecadados, as transferências recebidas da União resultante de tributos, e as parcelas compulsoriamente repassadas aos municípios e ao Fundeb.

No ano de 2016 o Estado de Mato Grosso comprometeu 29,44% de sua receita de impostos (ROLT) com repasses financeiros para os poderes e órgãos autônomos, enquanto a média nacional foi de 18,12%.

Esmiuçando os dados da pesquisa do Conseplan, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso recebeu 12,63%, quando a média nacional de repasses ao Poder Judiciário foi de 9,68%. A Assembleia Legislativa recebeu 5,74%, enquanto que a média brasileira em 2016 foi de 4,05%.

Os repasses dos 26 estados ao Ministério Público Estadual foi de 3,83% em média, todavia em Mato Grosso o MPE recebeu 5,10% da receita recebida pelo Estado com o pagamento de impostos.

O Tribunal de Contas de Mato Grosso recebeu no mesmo período 4,44%, mais que o dobro da média nacional, que foi de 2,03%. E por fim a Defensoria Pública, que recebeu 1,53% das receitas de impostos (ROLT), superior à média nacional que foi de 1,02%.

As informações da pesquisa vão bem mais além, e é calculado inclusive o custo “per capita”, o valor em dinheiro pago pelo cidadão de Mato Grosso anualmente para manter os órgãos e poderes, e a conta chega a R$ 704,11 (setecentos e quatro reais e onze centavos). Isso representa quase o dobro da média nacional, uma vez que o custo “per capita” nacional foi de R$ 344,12, no ano de 2016.

E, por fim, a pesquisa conclui que o Estado de Mato Grosso comprometeu cerca de 27,91% de suas receitas no ano de 2016 para manter o Poder Judiciário, Legislativo e Tribunal de Contas, além do Ministério Público e Defensoria.

VILSON PEDRO NERY é Especialista em Direito Público (Ucam) e Mestre em Educação (UFMT).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
20.10.18 11h53 » Por que não tributar?
19.10.18 10h24 » Imposto sobre herança ou doação
17.10.18 09h27 » Ainda sobre o Fethab
17.10.18 09h25 » Motivações da Justiça
16.10.18 08h43 » Discovery: em busca da paridade negocial
16.10.18 08h40 » MT: o agro que representa o Brasil
11.10.18 18h34 » Terceirização irrestrita
10.10.18 10h20 » Eleitor, o grande vencedor
09.10.18 11h30 » Majoração suspensa
09.10.18 11h30 » Negativação indevida e dano moral



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet