Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Quem exige tributo deve apontar o seu exato valor, com critérios objetivos
  • GISELE NASCIMENTO
    É assustador o tanto de mulheres que têm sido assassinadas em Mato Grosso nos últimos tempos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Não agir com igualdade perante todos significa um torpedo contra a própria noção de justiça
Artigos / VILSON NERY

Tamanho do texto A- A+
24.02.2018 | 09h26
Receita Ordinária Líquida do Tesouro
Poderes e órgãos autônomos consomem 30% da receita de MT
VILSON NERY

O Conselho Nacional de Secretários Estaduais do Planejamento (Conseplan) resolveu pesquisar o orçamento de 26 estados, excluído o Distrito Federal por obedecer a regras próprias, buscando saber como se comporta o repasse de recursos financeiros para os poderes e órgãos autônomos, assim reconhecidos pela Constituição Federal.

Deste modo foram analisados os orçamentos disponibilizados ao Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública de cada unidade federada.

Os dados a que nos referimos são do ano de 2016, e mostram a participação dos poderes e órgãos com autonomia, nas receitas orçamentária dos estados brasileiros.

A investigação incidiu sobre a Receita Ordinária Líquida do Tesouro (ROLT), que é a soma dos recursos ordinários efetivamente disponíveis aos Estados para suprirem a demanda da coletividade, conforme classificação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) nos termos da Portaria nº 163/2001.

Compõe o ROLT os impostos próprios arrecadados, as transferências recebidas da União resultante de tributos, e as parcelas compulsoriamente repassadas aos municípios e ao Fundeb.

No ano de 2016 o Estado de Mato Grosso comprometeu 29,44% de sua receita de impostos (ROLT) com repasses financeiros para os poderes e órgãos autônomos, enquanto a média nacional foi de 18,12%.

Esmiuçando os dados da pesquisa do Conseplan, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso recebeu 12,63%, quando a média nacional de repasses ao Poder Judiciário foi de 9,68%. A Assembleia Legislativa recebeu 5,74%, enquanto que a média brasileira em 2016 foi de 4,05%.

Os repasses dos 26 estados ao Ministério Público Estadual foi de 3,83% em média, todavia em Mato Grosso o MPE recebeu 5,10% da receita recebida pelo Estado com o pagamento de impostos.

O Tribunal de Contas de Mato Grosso recebeu no mesmo período 4,44%, mais que o dobro da média nacional, que foi de 2,03%. E por fim a Defensoria Pública, que recebeu 1,53% das receitas de impostos (ROLT), superior à média nacional que foi de 1,02%.

As informações da pesquisa vão bem mais além, e é calculado inclusive o custo “per capita”, o valor em dinheiro pago pelo cidadão de Mato Grosso anualmente para manter os órgãos e poderes, e a conta chega a R$ 704,11 (setecentos e quatro reais e onze centavos). Isso representa quase o dobro da média nacional, uma vez que o custo “per capita” nacional foi de R$ 344,12, no ano de 2016.

E, por fim, a pesquisa conclui que o Estado de Mato Grosso comprometeu cerca de 27,91% de suas receitas no ano de 2016 para manter o Poder Judiciário, Legislativo e Tribunal de Contas, além do Ministério Público e Defensoria.

VILSON PEDRO NERY é Especialista em Direito Público (Ucam) e Mestre em Educação (UFMT).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
19.04.18 10h21 » IPTU e o valor venal
19.04.18 10h17 » Feminicídios em MT
19.04.18 10h14 » Uma agenda para a Lei Kandir
19.04.18 10h13 » Lava Jato sem distinção
14.04.18 11h39 » A vaga no TCE custou caro
14.04.18 11h38 » Recuperação de ICMS indevido
13.04.18 10h30 » A pátria de toga
11.04.18 12h02 » Duro golpe na roubocracia
11.04.18 11h58 » Pena após condenação em 2º grau
06.04.18 16h45 » A culpa é dos congressistas



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet