Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
13.02.2018 | 11h44
Carnaval tributário
O excesso de burocracia e a carga tributária elevada são apontados como os principais entraves para o desenvolvimento de novas empresas
VICTOR MAIZMAN

O título desse artigo não poderia ser mais oportuno do que o “carnaval tributário”, tema de um livro lançado em 1989 pelo tributarista gaúcho Alfredo Augusto Becker, perplexo com a quantidade de tributos mascarados existentes no Brasil e da burocracia quanto o cumprimento das regras impostas pelo Poder Público.

Claro que o colega tributarista lançou mão de um analogismo para de forma irônica alertar o quanto convivemos com um emaranhado de normas fiscais, muitas vezes, complexas ao ponto de causar inúmeras interpretações.

Falo isso com a experiência de quem não apenas há quase 25 anos presta assessoria e consultoria na área tributária, como também na qualidade de membro de órgãos de julgamento de processos administrativos fiscais no âmbito estadual e federal.

O excesso de burocracia e a carga tributária elevada são apontados como os principais entraves para o crescimento e desenvolvimento de novas empresas no país.

O Brasil tem hoje 5.565 municípios normatizando seus próprios tributos, 27 legislações estaduais e aproximadamente 4,3 milhões de normas tributárias federais editadas desde a promulgação da Constituição de 1988.

Falo isso com a experiência de quem não apenas há quase 25 anos presta assessoria e consultoria na área tributária

Só para exemplificar, o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação e de Energia, que é de competência estadual, tem uma complexidade que desafia qualquer empresário a entender tamanho emaranhado de normas.

O ICMS é de competência estadual, mas é um tributo interestadual porque na maioria das vezes decorre de operações que envolvem contribuintes localizados em mais de um Estado. Então já se percebe que a empresa já fica submetida às regras dos dois Estados.

O ICMS é de competência estadual, mas é também um tributo internacional, porque a importação de um determinado produto é fato gerador do imposto.

Por sua vez, o Imposto sobre Prestação de Serviços – ISS é de competência municipal. Porém, o problema já começa quando uma empresa é sediada em um Município e presta serviço em outro.

Ou seja, além de ficar submetido às regras do município onde prestou o serviço, ainda deve observar as regras do município de sua sede.

E se descumprir as regras, multas. E se não pagar as multas, bloqueios de nome e de patrimônio! Portanto, analogismos à parte, é certo que o Poder Público deve entender que não se pode pretender sufocar justamente aquele que realmente contribui para o desenvolvimento e a manutenção do Estado.

Estou falando de nós, contribuintes!

VICTOR MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 11h04 » A quem interessa o foro?
18.05.18 11h03 » Governança fundiária
16.05.18 08h56 » O poder do cidadão
16.05.18 08h55 » Cadastro positivo
14.05.18 09h26 » Ação de ressarcimento ao erário
14.05.18 09h25 » Arbitragem: segurança e eficiência
14.05.18 09h23 » Direitos sexuais e reprodutivos
14.05.18 09h21 » Direito e Internet das Coisas
10.05.18 09h06 » Advocacia preventiva
10.05.18 09h04 » Agro brasileiro e Canadá



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet