Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    A data tão esperada de 20 de dezembro se aproxima, momento em que para os que trabalham com o Direito quase tudo para
  • LEONARDO CAMPOS
    Fim do Exame de Ordem vai à contramão do desejo da sociedade
Artigos / GONÇALO DE BARROS

Tamanho do texto A- A+
05.12.2017 | 20h00
Julgando, sempre
Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
GONÇALO DE BARROS

A pessoa se reconhece através de um complexo processo de autoavaliação e reflexão. Mas só?

Sabemos, a partir do pensamento moderno, em especial o de Lacan, que o ser se reconhece no outro, sim, na alteridade, na comparação dialética entre aquilo que sou (comportamento, atitude, posição frente às vicissitudes da vida etc.) e o que tudo isso representa no outro, ou de como esse outro se manifesta.

Vejamos, então: o reconhecer-se no outro não é um julgamento?

Pois bem. Nos acertos e erros do outro é que nos descobrimos em acertos e erros, também. Assim, a partir daquilo que julgamos acertado ou errado no outro é que nos definimos e caminhamos solitariamente para a própria subjetivação.

Neste exato momento, lendo estas palavras iniciais, já estamos concordes ou discordes; julgando, portanto.

A profundidade dos acontecimentos não importa mais, todos querem participar. A capacidade e conhecimento de causa é detalhe dos desavisados

O julgamento dos amigos, do vizinho, dos colegas de trabalho, da família, todos, e dos mais variados tipos, estão no dia a dia de cada qual e para cada qual.

Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes, a exceção é o anonimato, deste o sufixo já diz tudo.

Consideremos o Facebook, das curtidas ou não, já que a ferramenta está a um "clic" do interessado, se pode sentir a reprovação ou aprovação de seu texto ou comentário. Ou ainda, a indiferença, que não é muda, mas eloquente. Julgou-se eletronicamente e em tempo real, e o autor pode avaliar os "amigos".

O anonimato se relaciona mais com os sites de notícias, nos comentários. Tirando o conteúdo que de cara se percebe o interesse pela vindita, ou de falta de cultura e conhecimento, têm-se verdadeiras lições a tirar.

Os teóricos sociais deveriam debruçar-se mais sobre isso. Há uma coerente participação popular neles, uma corresponsabilidade no produzido e no resultado. A máscara cai, dependendo da "argumentação" dos comentaristas, anônimos ou não.

O recato, a paz dos inocentes, não prevalece mais, foi-se embora, impotente. Está-se a criar novas tolerâncias.

A profundidade dos acontecimentos não importa mais, todos querem participar. A capacidade e conhecimento de causa é detalhe dos desavisados.

E diante disso, como ser feliz na comédia contemporânea? Ser ou não ser, que desculpemos a Shakespeare, não é mais a questão. É outra a inquietação, é de sobrevivência, de dramaturgia.

Para Santo Agostinho, aqueles que viveram retamente, amando o bem, afastando-se do mal e dos maus, embora esteja sujeito a sofrimentos terrenos, gozarão das delícias do porvir.

Que assim seja, pois, dos julgamentos por aqui, o de lá deve ser mais suave.

É por aí...

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO é juiz de Direito em Cuiabá.

antunesdebarros@hotmail.com


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2018
13.12.18 16h12 » Isenção do IR para professores
13.12.18 16h09 » Desmatamento zero: retrocesso
13.12.18 16h05 » Recesso: foi bom para você?
13.12.18 16h00 » OAB
11.12.18 08h32 » Fundos e mais fundos
11.12.18 08h29 » Reforma Tributária: “Só ouço falar...”
11.12.18 08h26 » Combate ao Crime Organizado
10.12.18 16h24 » O destino do Direito Penal
10.12.18 16h18 » Tempos de ética e de caráter
06.12.18 16h28 » Estado: indutor do desenvolvimento



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet