Artigos
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO
    O culto à decisão da maioria, a vontade geral capitaneada pelo legislador, foi substituída pela vontade constitucional
Artigos / JÚNIOR MACAGNAM

Tamanho do texto A- A+
07.11.2017 | 09h30
Corrupção x incompetência
A política não é profissão. Conchavos e acertos não são moedas de troca ou pagamento de favores
JÚNIOR MACAGNAM

Deveria até ser redundante, mas não. Ainda me pego pensando o que é mais trágico: um corrupto ou um incompetente.

A discussão cresce e ganha espaço, e aos olhos de uns, a incompetência chega a ser um mal nefasto, visto que quando se é ladrão, ao menos encobrir o roubo realizando obras e camuflando um mandato se faz.

O famoso rouba, mas faz.

Já o incompetente, talvez nem roube, mas permite ser roubado, não realiza, se faz não é necessário.

O andamento de processos estendem-se, custos também e o oportunismo aparece para amenizar.

Honestidade, índole, caráter, compromisso e principalmente competência são atribuições essenciais para um bom representante

A verdade é que nem um nem outro nos são suficientes e satisfatórios, e que aceitar tal postura é compactuar com os mandantes.    

O processo para renovar o cenário político é lento, mas necessário, resultados serão vistos a médio e longo prazo.

Não podemos ignorar o caos que nossa representatividade se encontra.

Os brasileiros jamais tiveram tanta voz e poder de escolha quanto agora, e as mídias sociais tem sido canais valiosos para isso acontecer.     

Decisões importantes estão sendo revistas após manifestações e movimentos virais. E esse é apenas o começo.

Nossa participação é fundamental e extremamente importante. Não podemos permitir que o comodismo nos cale ou nos conforme.

A política não é profissão! Conchavos e acertos não são moedas de troca ou pagamento de favores.

Pessoas contaminadas e despreparadas que seguem apenas por mordomias e privilégios não nos permitem prosperar. 

Justamente por isso a pergunta não deve ser quem é pior: corrupto ou incompetente?

E sim o que estamos fazendo para mudar os protagonistas!

Não iremos tolerar abuso aos cofres públicos. Não coincidiremos com a falta de segurança, saúde e educação básica.

Logo, ladrões ou incompetentes, vocês não nos representam e não nos servem!

Honestidade, índole, caráter, compromisso e principalmente competência são atribuições essenciais para um bom representante.

JÚNIOR MACAGNAN é empresário em Cuiabá.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
20.02.18 16h30 » Na contramão do desenvolvimento
20.02.18 16h27 » Votos brancos e nulos anulam as eleições?
20.02.18 16h23 » Integridade empresarial: uma nova realidade
20.02.18 16h20 » Democracia e pluralidade
17.02.18 09h43 » Reformas eleitorais
17.02.18 09h39 » Advogado curandeiro
14.02.18 10h37 » Fim da controvérsia
14.02.18 10h36 » Brasil vive a narcopolítica
13.02.18 11h44 » Carnaval tributário
13.02.18 11h43 » Desesperança com o Judiciário



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet