Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
Artigos / RENATO NERY

Tamanho do texto A- A+
27.09.2017 | 17h07
A intolerância
Os preceitos acima são de ordem universal e constam do ordenamento jurídico de praticamente todas as nações
RENATO NERY

Intolerância é uma atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças em crenças e opiniões. A intolerância pode estar baseada no preconceito, podendo levar à discriminação.

 

Precisamos entender que as diferenças fazem parte da vida e do nosso cotidiano. Não devemos crucificar e nem condenar ninguém por agir ou pensar de forma diferente da nossa. Podemos discordar, mas não impedir a pluralidade de opiniões e ideias.

Afinal, bem ou mal vivemos numa democracia. É livre a manifestação de pensamento, bem como é inviolável a liberdade de consciência e credo, como assegura a nossa Constituição.

Todo o esforço empreendido depois da Segunda Guerra por um mundo melhor está sendo posto em cheque

 

Os preceitos acima são de ordem universal e constam do ordenamento jurídico de praticamente todas as nações. Entretanto, isto não impediu e nem impede a explosão da intolerância, com a  discriminação pura e simples de minorias, e migrantes das mais diversas nacionalidades em grande parte do mundo. 

 

Todo o esforço empreendido depois da Segunda Guerra por um mundo melhor está sendo posto em cheque. Haja vista, a inobservância  de acordos pelo meio ambiente  e a promessa de construção de muros. Sintomas de que a situação é grave.   

 

Por aqui, a discriminação contra gays e a destruição de centros umbanda, as opiniões e a defesa de soluções radicais como pena de morte e o regime de exceção  são reflexos de que fomos contaminados pelo vírus da intolerância.  Daí para a barbárie é um passo. 

 

É preciso lembrar que todos têm direito a vida, a liberdade e aos bens dispostos no mundo pelo Criador. E isto somente e possível sem discriminações de qualquer natureza e, com certeza, com a preservação dos valores republicanos e democráticos. Não podemos retornar às trevas. Se anda é para frente. 

 

..... É  preciso ter fé em Deus e na vida....Nada acabou... Como afirmou o poeta. Sem discriminação, sem magoas, sem ressentimentos e sem intolerância. Tenho me batido à exaustão nesta tecla, aqui nesta coluna, pois apesar de repetitivo, não vejo outro caminho e espero que não tenha sido em vão. 

RENATO GOMES NERY é advogado em Cuiaba.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 07h00 » A indústria do dano moral
07.12.17 06h58 » Vingança prisional cara
05.12.17 21h00 » Diagnóstico tributário
05.12.17 20h00 » Julgando, sempre
Novembro de 2017
27.11.17 16h17 » Matemática do Crime
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet