Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
Artigos / FELIPE GUERRA

Tamanho do texto A- A+
18.09.2017 | 17h53
A corrupção é natural?
Infelizmente, hoje os cidadãos mostram-se incapazes de fazer coisas que não lhes tragam gratificação pessoal
FELIPE GUERRA

Ao ver trecho de uma palestra de Rodrigo Janot sobre combate à corrupção, uma admoestação me chamou a atenção. O procurador-geral da República afirmou que a “corrupção está naturalizada”.

De fato, o procurador está correto, mas não apenas a corrupção está naturalizada, a violência, a educação de péssima qualidade, a saúde caótica, a pífia segurança pública, entre outros, também estão.

A corrupção, por seu grau de disseminação e amplitude, está naturalizada e banalizada. Tanto é verdade que apenas nos importamos com a corrupção quando ela ganha as manchetes dos principais jornais.

Aquela corrupção cotidiana, aquela vaga de deficiente que só por uns minutos você usou, aquele favor junto ao órgão público que lhe permitiu passar à frente da ordem cronológica de atendimento, aquela cola na prova, aquela “mentirinha” para justificar o atraso na entrada ao trabalho, aqueles 100 reais que garantiram seu voto, estas formas de corrupção não nos causam a mesma indignação que a “lava jato”.

Naturalizamos a corrupção e estamos cauterizados em relação a ela. Na verdade, o brasileiro com sua capacidade de adaptação, tem se adequado a esse contexto.

Estamos cauterizados não apenas com o ato de corromper e ser corrompido, mas, sobretudo, com o resultado devastador que a corrupção causa para o meio social

Os mais abastados, assim respondem ao estímulo social: é certo que a corrupção nos toma vagas em hospitais públicos – é tudo ladrão, não vai mudar nunca, façamos um plano privado de assistência médica e hospitalar -; é certo que retira vagas das escolas públicas – é tudo ladrão, não vai mudar nunca, pagamos escola particular -, é certo que impede a estruturação da segurança pública – é tudo ladrão, não vai mudar nunca, contratamos segurança privada -, e assim por diante.

Ou seja, enquanto não for meu filho quem morre na fila do hospital, não tem problema; enquanto não for meu familiar o assassinado, pouco me importo.

Estamos cauterizados não apenas com o ato de corromper e ser corrompido, mas, sobretudo, com o resultado devastador que a corrupção causa para o meio social.

Sob outra ótica, para aqueles que possuem parcos recursos culturais e financeiros, resta apenas o caos de um Estado que permite que suas riquezas vazem pelas milhares de torneiras da corrupção.

Lamentavelmente, a corrupção social (coletiva) ou estatal (institucional) caracteriza-se pela incapacidade moral dos cidadãos de assumir compromissos voltados ao bem comum.

Vale dizer, hoje os cidadãos mostram-se incapazes de fazer coisas que não lhes tragam uma gratificação pessoal.

Por acreditarmos que nossa chance ao sol vale mais que os benefícios à coletividade, contribuímos decisivamente para este contexto. Você, eu, nós somos responsáveis por isso, ainda que por nossa passividade.

Não podemos tratar esse cenário como típico dos tupiniquins, não podemos acreditar que no Brasil tudo pode.

Corrupção não é normal, corrupção não é a regra!

FELIPE GUERRA é presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - Seccional de Sinop-MT.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 07h00 » A indústria do dano moral
07.12.17 06h58 » Vingança prisional cara
05.12.17 21h00 » Diagnóstico tributário
05.12.17 20h00 » Julgando, sempre
Novembro de 2017
27.11.17 16h17 » Matemática do Crime
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet