Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
Artigos / PAULO LEMOS

Tamanho do texto A- A+
18.09.2017 | 17h51
Há mais ética no cabaré
Existe um assalto à luz do dia: os meliantes não escondem a cara, nem dissimulam os fatos
PAULO LEMOS
Já prestou atenção que, desde o advento do Governo Temer , praticamente todas propostas legiferantes são no sentido de restringir despesas, retirando direitos e interrompendo programas sociais, sem que, porém, qualquer mexida tenha ocorrido na carga tributária, que só fez aumentar, porque, mesmo com a inflação controlada, os preços da energia elétrica, gasolina, mercado etc. só faz subir e subir?
 
Se diminui a despesa, sem diminuir as alíquotas dos mecanismos tributários de arrecadação, aonde vai parar o dinheiro?
 
Está sendo usado para diminuir o déficit fiscal, como alega a propaganda oficial? 
 
Não! Pelo visto, literalmente falando, está sendo distribuído, em mãos, dentro dos gabinetes palacianos e enchendo malas até quase estourar, guardadas por aí, em qualquer lugar. 
 
Trata-se de um assalto à luz do dia, sem os meliantes sequer esconderem a cara ou preocuparem-se com dissimular os fatos, contra os quais, diante dos áudios e das imagens, não há argumentos palatáveis. 

O Brasil tem sido tratado pelas altas autoridades como sendo um puteiro, do Oiapoque ao Chuí, sem querer ofender as putas, os putos e os cabarés, haja vista haver mais ética e transparência nesses lugares

 
E muitos, senão a maioria, continuam no exercício do mandato, como se nada tivesse acontecido, sendo suficiente dizer ser inocente, mesmo pegos com a arma e o produto do crime nas mãos. 
 
Brasil, brasileiro, país onde sobra dinheiro, mas o povão passa fome e necessidade o ano inteiro. 
 
Triste sina deste lugar, no qual tudo o que planta dá, só não dá para a Casa Grande aceitar que a Senzala tem direito, em pleno século XXI, açoitada como vagabunda parideira, que faria filho em troca de dinheiro, almejando o bolsa-família.
 
Se ajuntado todo recurso distribuído pelo programa citado acima para milhões de famílias terem ao menos uma cesta-básica durante o mês para comer e não morrer, com o compromisso de manter os filhos na escola e vacinas em dia, não dá a dinheirama das verbas indenizatórias recebidas pelos homens e mulheres de preto.
 
Muito menos a quantia da bolsa-propina paga até com gratificação natalina, tampouco as malas dum Gedel Vieira Lima, aviãozinho, conforme alcunha a gíria, peixe pequeno perto dos tubarões, que, com apoio dos patos e dos paneleiros, tomaram de assalto o Distrito Federal.
 
O Brasil tem sido tratado pelas altas autoridades como sendo um puteiro, do Oiapoque ao Chuí, sem querer ofender as putas, os putos e os cabarés, haja vista haver mais ética e transparência nesses lugares, bem como mais dignidade nessas pessoas da vida, do que nos palacetes e nos mensageiros da morte.
 
Para virar um puteiro, as elites dirigentes precisam avançar, pois até lá há regras, o recurso aplicado é revertido em serviços, o combinado é cumprido. 
 
Na Capital Federal, hoje em dia, a suruba perdeu o controle, mantendo apenas uma coisa sem mudar.
 
Nossa gente trabalhadora e ordeira, vítima de toda essa roubalheira, praticada por essa matilha de canalhas, bandidos e assassinos, que falam bonito, vestem-se com terno e gravata e sacaneiam nosso povo o tempo todo, entre uns drinks do melhor whisky e outras mordomias.
 
Financiado por nós, é óbvio, feitos de palhaços ou macacos de circo, para quem basta sorrisos ou pipocas.
 
PAULO LEMOS é advogado em Mato Grosso.

paulolemosadvocacia@gmail.com


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 07h00 » A indústria do dano moral
07.12.17 06h58 » Vingança prisional cara
05.12.17 21h00 » Diagnóstico tributário
05.12.17 20h00 » Julgando, sempre
Novembro de 2017
27.11.17 16h17 » Matemática do Crime
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet