Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
05.09.2017 | 09h52
Dinheiro do contribuinte
A verdade é que não existe essa coisa de dinheiro público, existe apenas o dinheiro dos pagadores de impostos
VICTOR MAIZMAN

A imprensa está fazendo ampla cobertura sobre o chamado ajuste da meta fiscal do Governo Federal, apontando sobretudo a total crise que assola o Estado brasileiro.

É sabido que sem prejuízo do dinheiro público desviado da corrupção, o Estado tem, em regra, as despesas maiores do que as receitas.

Pois bem, é certo que jamais pode-se comparar o Poder Público com uma empresa privada, onde nestas, as decisões referentes a corte de despesas são tomadas de forma objetiva e eficaz, não dependendo de amarras burocráticas e legais previstas no ordenamento público.

Sendo assim, se é difícil cortar despesas, ao Estado não resta outra solução, senão, aumentar as receitas e, é claro, através do aumento da carga tributária.  

Portanto, em vez de buscar soluções para diminuir as despesas, será sempre se apoderando do patrimônio do contribuinte onde o Estado encontra maior facilidade para resolver o seu déficit fiscal.

É por isso que as limitações do poder de tributar previstas na Constituição Federal devem ser interpretadas a favor do contribuinte, não cabendo mais aquela interpretação de que o Estado pode tudo, em especial quando se trata das questões tributárias. 

Não nos esqueçamos nunca desta verdade fundamental: o Estado não tem outra fonte de recursos, além do dinheiro que as pessoas ganham por si próprias

Aliás, o Supremo Tribunal Federal já vem decidindo que as regras constitucionais que impõe limites ao poder de tributar do Estado devem ser interpretadas a favor do contribuinte e, por corolário, contra os interesses meramente arrecadatórios.

Não por isso, as regras previstas na Constituição Federal pátria estão em consonância com a advertência eloquente verbalizada pela estadista britânica Margaret Thatcher na conferência do Partido Conservador Inglês em 1983:

“Um dos grandes debates do nosso tempo é sobre quanto do seu dinheiro deve ser gasto pelo Estado e com quanto você deve ficar para gastar com sua família.

Não nos esqueçamos nunca desta verdade fundamental: o Estado não tem outra fonte de recursos, além do dinheiro que as pessoas ganham por si próprias.

Se o Estado deseja gastar mais, ele só pode fazê-lo tomando emprestado sua poupança ou cobrando mais tributos, e não adianta pensar que alguém irá pagar. Esse ‘alguém’ é você.

Não existe essa coisa de dinheiro público, existe apenas o dinheiro dos pagadores de impostos.

A prosperidade não virá por inventarmos mais e mais programas generosos de gastos públicos. Você não enriquece por pedir outro talão de cheques ao banco.

E nenhuma nação jamais se tornou próspera por tributar seus cidadãos além de sua capacidade de pagar. Nós temos o dever de garantir que cada centavo que arrecadamos com a tributação seja gasto bem e sabiamente.

Proteger a carteira do cidadão, proteger os serviços públicos, essas são nossas duas maiores tarefas e ambas devem ser conciliadas. Como seria prazeroso, como seria popular dizer: ‘Gaste mais nisso, gaste mais naquilo’.

É claro que todos nós temos causas favoritas.

Eu, pelo menos, tenho, mas alguém tem que fazer as contas. Toda empresa tem de fazê-lo, toda dona de casa tem de fazê-lo, todo governo deve fazê-lo, e este irá fazê-lo”.

E, independentemente do poder/dever do cidadão em fiscalizar a aplicação do dinheiro público, cabe ao mesmo lançar mão de mecanismos previstos na própria Constituição Federal para resguardar o seu patrimônio da voracidade fiscal, quando por certo, não atendidos os limites constitucionais do poder de tributar.

VICTOR HUMBERTO MAIZMAN é advogado e consultor jurídico tributário, professor em Direito Tributário, ex-membro do Conselho de Contribuintes do Estado de Mato Grosso e do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais da Receita Federal (CARF).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 07h00 » A indústria do dano moral
07.12.17 06h58 » Vingança prisional cara
05.12.17 21h00 » Diagnóstico tributário
05.12.17 20h00 » Julgando, sempre
Novembro de 2017
27.11.17 16h17 » Matemática do Crime
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet