Artigos
  • THAYSON HENRIQUE MOTA
    Tribunais inferiores continuavam a proferir decisões pela formação de grupo econômico sustentando o poder de comando em face da mera identidade de sócios
  • RODRIGO CARVALHO
    Não cabe a nenhum órgão de controle interno ou externo e ao Judiciário criar limites à função do procurador
  • RENATO NERY
    Quanta gente não se embriagou com milionários cargos públicos supridos pela desenfreada corrupção?
  • VICTOR MAIZMAN
    A Constituição impõe que no tocante ao ICMS, quanto mais essencial for o produto ou serviço, menor deve ser a alíquota
Artigos / JOÃO HENRIQUE FERREIRA

Tamanho do texto A- A+
30.08.2017 | 10h30
Funrural: a resolução parece, enfim, muito próxima
Qualquer tomada de decisão deve ser muito bem analisada, caso a caso
JOÃO HENRIQUE FERREIRA

Tenho sido muito questionado, por vários clientes, acerca da atual situação do FUNRURAL e qual a decisão a ser tomada sobre o assunto, especialmente porque, assim relatam, a angústia permanece (ou só aumenta).

Pois bem. Logo após a decisão do STF - Supremo Tribunal Federal que declarou constitucional o Funrural, um site de notícias me entrevistou. Naquele momento, conclui dizendo que acreditava que seria instituído um Refis para que os produtores rurais pagassem a contribuição de forma retroativa com descontos de juros e multa.

Isso se concretizou com a edição da Medida Provisória n.º 793/2017, que instituiu o PRR – Programa de Regularização Tributária Rural.

Publiquei, em uma rede social, minha opinião sobre ela, ressaltando que diante das inúmeras situações que cada produtor se encontra, na parte que possibilitou o pagamento do Funrural retroativo com descontos de juros e multa, mais parecia pretender atrair os afobados a confessar e pagar uma dívida que ainda era incerta.

É o mínimo que se poderia fazer para o setor que, concordem ou não, carregam o Brasil nas costas. Isso não é um encargo doloroso, mas merece reconhecimento

Bingo, pois ao que tudo indica o Funrural que deixou de ser recolhido até ser declarado constitucional pelo Supremo está próximo de não poder ser mais exigido pelo fisco!

É que tramita no Senado Federal um PRS - Projeto de Resolução do Senado (13/2017), de autoria da Senadora Kátia Abreu e de relatoria do Senador Jader Barbalho, que pretende exatamente suspender a execução dos dispositivos legais que fundamentam a cobrança do Funrural.

Não me adentrarei aos detalhes técnicos que envolvem a questão, tais como números de leis, artigos, etc. O leitor apenas precisa saber que, como os fundamentos legais que autorizam a cobrança do Funrural foram declarados inconstitucionais pelo STF em duas oportunidades (2010 e 2011) antes da surpreendentemente mudança de entendimento da Suprema Corte em 2017, a Constituição Federal permite que o Senado suspenda a execução dessa lei declarada inconstitucional.

Neste caso, se aprovado o PRS pelo Senado Federal, faltaria ao fisco “lei” que amparasse a exigência pretérita do Funrural.

O último andamento do PRS foi a publicação do Parecer (SF) n.º 88, de 2017, em que a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania dá parecer favorável ao projeto. Caso não seja apresentado nenhum recurso até o dia 5 de setembro, há grande chance de um final justo para os produtores rurais e demais envolvidos.

É o mínimo que se poderia fazer para o setor que, concordem ou não, carregam o Brasil nas costas. Isso não é um encargo doloroso, mas merece reconhecimento.

Para finalizar esclareço dois pontos. O primeiro é que a mesma MP que instituiu o PRR (“REFIS rural”) também diminuiu a alíquota do FUNRURAL para 1,3% (já incluído 0,1% ao RAT) a partir de janeiro de 2018, portanto dando a entender que a contribuição continuará sendo exigida.

O segundo, aqui demonstrando muita cautela e a experiência de quem muito já viu, é que o fisco poderia abrir uma discussão sobre os efeitos da resolução do Senado (se aprovada), sob o argumento de que ela não poderia retroagir, embora a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal, em seu parecer, já tratou de afastar essa possibilidade.

Enfim, minha recomendação continua a mesma: qualquer tomada de decisão deve ser muito bem analisada, caso a caso. Mas ao menos agora parece haver uma luz no fim do túnel...

JOÃO HENRIQUE FERREIRA é advogado especialista em Direito Tributário, professor e produtor rural.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
14.10.17 11h42 » Grupo Econômico e a Lei 13.467/2017
14.10.17 11h40 » Procurador parecerista
14.10.17 11h39 » A fortuna e o fracasso
10.10.17 09h47 » Política tarifária
10.10.17 09h29 » Reage MT
07.10.17 11h58 » Direito de preferência do locatário
07.10.17 11h56 » Dívida pública, teto de gastos e delação
03.10.17 11h28 » Novo processo civil
03.10.17 11h27 » Em busca da segurança jurídica
03.10.17 11h26 » Desenredo



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet