Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...
Artigos / FÁBIO MELLO

Tamanho do texto A- A+
04.05.2017 | 16h10
Plano Safra, vamos ver a contrapartida do Governo
As cifras no vermelho exibem um vexatório rombo de R$ 200 bilhões das contas públicas
FÁBIO MELLO

Chegou a hora de quem produz aquilatar se o Governo Federal lhe dá o devido valor. E isto é pontuado em razão de estarmos na iminência da divulgação do plano safra 2017/2018. É certo que desnutrir quem nutre as mesas da própria nação e do mundo afora exportando e gerando segurança alimentar não seria nada sábio. E, não se trata apenas da produção de alimentos presente nos vastos campos de Mato Grosso, celeiro do mundo, o agronegócio é hoje a sustentação financeira deste país, que, aliás, está mal das pernas.

As cifras no vermelho exibem um vexatório rombo de R$ 200 bilhões das contas públicas. E, como se não tivesse alternativa promove a ganância da arrecadação desenfreada, e francamente, o Agro não quer e não pode ser penalizado com o apetite voraz do mercado financeiro, sempre protegido pelo governo.

O Agro não aceita e não pode aceitar as majorações elevadíssimas dos juros que dizimam o lucro do produtor, elas não cabem porteira adentro, são pragas roedoras da implantação de tecnologia, da inovação, reforma de pastagens e do incentivo moral do forte homem do campo, ainda abalado pelos duros golpes, com nome e sobrenome FUNRURAL e OPERAÇÃO CARNE FRACA.

O Agro não aceita e não pode aceitar as majorações elevadíssimas dos juros que dizimam o lucro do produtor, elas não cabem porteira adentro, são pragas roedoras da implantação de tecnologia, da inovação, reforma de pastagens e do incentivo moral do forte homem do campo

Quando as entidades ligadas a todos os setores da agricultura e pecuária de Mato Grosso, debruçam-se em busca de sábias soluções e estratégias, gerando então o Plano Safra, ou melhor, o Plano Agrícola e Pecuário 2017 / 2018, e o coloca nos braços da União, é o mesmo que depositar a fé de que este embrião será de fato gerado.

As 32 medidas propostas para o Agro é bem isso mesmo, quase um filho, que pode vingar ou não. E, diga-se de passagem, um filho do campo, que rendeu bons frutos, mesmo diante das turbulências, com reflexos nada passageiros. E ainda assim, neste cenário inóspito trouxe orgulho, enquanto outros setores amargaram um naufrágio profundo do PIB, de janeiro a dezembro de 2016, o PIB do agronegócio brasileiro acumulou crescimento de 4,48%.

Engordar as finanças deste Estado e País depende neste momento unicamente de quem tem o poder na mão, o Governo Federal. A medida neste caso é calar o apetite dos juros, servindo aos produtores o cardápio da justiça, donde se inclui a disponibilização de consideráveis cifras para quem de fato contribui para o equilíbrio da balança comercial.

O plano Safra trás a receita simplificada, implora percentuais mais equilibrados, abaixo de 5%a.a, bem como o fortalecimento dos recursos de comercialização da produção, demandas legítimas ainda da manutenção do Programa Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária (Inovagro), financiamento e flexibilidade para a construção de armazéns, e claro, não poderia ficar de fora; a desburocratização do sistema.

O Agro conta mais uma vez com os esforços do guerreiro Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que tem poucos dias para este duro desafio. Como bem declarou, é preciso encontrar espaço no orçamento do governo federal para garantir subsídios mais atrativos. Sem eles a produção fica comprometida.

Partilhando das trincheiras certamente está a bancada ruralista, que tem outro mato-grossense como líder, Nilson Leitão. Assim, todas as fichas estão depositadas nestes nossos representantes, pois o Agro é a locomotiva deste país e não lhe pode, em hipótese alguma, faltar combustível.

Espera-se que o Governo Federal trate o Agro com a mesma reciprocidade, notadamente para que a desnutrição não roube e não se alastre em nossos verdes campos produtores.

Por favor, não desistam de lutar por quem não desistiu ainda de produzir.

FÁBIO MELLO é advogado e pecuarista.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata
11.11.17 11h02 » Regularização Fundiária e seu Impacto na Economia Brasileira
11.11.17 11h00 » TRE-MT: 85 anos de grandes desafios
10.11.17 10h06 » Seu nome foi negativado indevidamente?
08.11.17 16h57 » Delação premiada
08.11.17 16h55 » Porte de fuzil é crime hediondo



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet