Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
Artigos / EUARDO MAHON

Tamanho do texto A- A+
07.03.2017 | 15h57
O Estado quer mais dinheiro?
Se MT quer aumentar a receita, basta fiscalização
EDUARDO MAHON

A sonegação está institucionalizada em Mato Grosso. Para que vocês tenham uma ideia, no Estado, há 4 embarcadouros do agronegócio (Alto Taquari, Alto Araguaia, Itiquira, Rondonópolis).

Ocorre que não há nenhum posto de fiscalização funcionando nesses embarcadouros para saber se a quantidade de grãos e produtos documentados confere com a realidade embarcada.

Portanto, toda a produção está imune ao ICMS, mas não se sabe se 100% são exportados, de fato. Recentemente, o posto da Sefaz de Alto Araguaia foi fechado.

O posto de Itiquira que fiscalizaria a exportação de carne sequer foi colocado em funcionamento. Aliás, em Alto Taquari, ainda na gestão anterior, o posto ferroviário e rodoviário foram desativados.

Me parece que o lobby do agronegócio quer desmantelar a fiscalização para declarar de forma arbitrária o que produz e deixar de declarar o que quer.

Se o Estado de Mato Grosso quer realmente aumentar a receita, nem precisa de legislação especial para tributar o agronegócio, basta a fiscalização dura, reativando os postos com balanças, o monitoramento de drones, convênios com a concessionária do modal ferroviário que está resolvido o problema de caixa de Mato Grosso.

Como é que queremos a compensação do FEX, se não sabemos efetiva e exatamente o que sai do nosso Estado?

Agora... meus amigos, a cereja do bolo, seria um posto lá no embarcadouro de Santos e outro no Pará. Aí sim, teríamos a exata medida do que é produzido e realmente exportado ou sonegado para a circulação não tributada no mercado interno.

Eduardo Mahon é advogado.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 07h00 » A indústria do dano moral
07.12.17 06h58 » Vingança prisional cara
05.12.17 21h00 » Diagnóstico tributário
05.12.17 20h00 » Julgando, sempre
Novembro de 2017
27.11.17 16h17 » Matemática do Crime
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet