Artigos
Enquetes

Você acha que a Lava Jato corre o risco de ser inviabilizada pela lentidão da Justiça?

  • Sim
  • Não
Sexta, 17 de fevereiro de 2017, 18h28

Tamanho do texto A- A+
Artigos / RENATO NERY
Prisão preventiva
O exagero das conduções coercitivas
RENATO NERY

Ficamos surpresos com a prisão recente de um ex-presidente da OAB/MT. Aparentemente os motivos alegados para decretação da custódia não convencem. Assim como não convencem os motivos de decretos preventivos de diversas outras prisões que perduram, sem apelo, ao longo do tempo neste período conturbado da vida nacional. Fato que tem recebido censuras de Ministros do STF, STJ e juristas de diversos matizes.

O artigo 312 do Código de Processo Penal estabelece os requisitos para a prisão preventiva, nos seguintes termos: “ A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova de existência do crime e  indício suficiente da autoria”.                    

É preciso ter cautela, medindo-se e pesando os elementos colhidos para verificar se são suficientes para a decretação dessa prisão provisória, que é medida de exceção quanto ao tema de liberdades individuais (Júlio Fabrine Mirabete in Código de Processo Penal Interpretado – 5ªed. Atlas – 1997).                           

A custódia fora deste contexto é desnecessária. É arbitrária e reflete mais vingança do que o efeito profilático que o Código de Processo Penal recomenda. Está mais para regime de força do que o para regime democrático onde as liberdades individuais são respeitadas.                                 

Ressalte-se que além das prisões despropositadas, existe o exagero das conduções coercitivas desnecessárias típicas de Estados Policiais. Ninguém sai ileso após um constrangimento destes, onde a exposição pública destrói reputações para o gáudio de autoridades mediáticas. Isto constitui pena antecipada, sem culpa formada e sem o devido processo legal. E num Estado Policialesco ninguém está a salvo, qualquer indício ou meras suspeitas pode levar um cidadão de bem a ser constrangido  a prestar contas ou a ser confinado numa prisão.                                               

Não se nos assevera crível que supostos crimes praticados há mais de 04  anos sejam capazes de atentar contra a ordem pública ou econômica e que a condição de réus que tenham residência fixa e destaque na sociedade venham oferecer risco a aplicação penal ou prejudicar instrução processual. E que o réu conhecido, primário, advogado militante, venha formar um juízo de prelibação, segundo o qual ele vá  prejudicar a instrução criminal, destruindo provas, coagindo testemunhas ou impedir a aplicação da lei penal.                       

Prisão não é vingança e nem via para se conseguir delação premiada. E não pode ser usada para atingir outros objetivos. A liberdade é o bem mais caro do cidadão. A custódia somente deve ser usada em casos extremos, até por que é exceção. Não pode atender a clamor público, nem aos reclamos da imprensa e nem das forças do retrocesso. A aplicação da  Lei penal pode e deve ser exercitada dentro dos parâmetros legais. Fora disto é a barbárie. Faz muito tempo que saímos das cavernas.                                             

Renato Gomes Nery é advogado e ex-presidente da OAB/MT


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2017
17.04.17 18h07 » De quem é a conta do IPTU?
11.04.17 11h04 » A taxa contra incêndio
Março de 2017
23.03.17 16h04 » Só Selma Arruda salva
20.03.17 17h59 » Atraso na entrega da obra
13.03.17 16h26 » Reforma Federal x Estadual
09.03.17 14h35 » Dia da Advocacia Pública
07.03.17 15h57 » O Estado quer mais dinheiro?
03.03.17 18h21 » Invasões
Fevereiro de 2017
27.02.17 17h41 » Presunção de inocência esquecida
22.02.17 16h18 » Reforma Tributária



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet