Artigos
  • EMANUEL BEZERRA JUNIOR
    Será que o momento atual é o mesmo de 1996, quando a Lei Kandir foi criada? Será que o modelo interessa?
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito

Tamanho do texto A- A+
06.03.2018 | 17h41
Bereré do Detran
Agência do Banco do Brasil era ponto de coleta, diz Dóia
DA REDAÇÃO
doia

O ex-presidente do Detran, Teodoro Lopes, o Dóia

Durante a campanha eleitoral de 2010, uma agência do Banco do Brasil no Distrito Industrial recebeu visitas frequentes de Claudemir Pereira dos Santos, o "Grilo", homem de confiança do deputado estadual Mauro Savi (PSB).

O objetivo, segundo a delação do ex-presidente do Detran, Teodoro Moreira Lopes, o Dóia, era "buscar dinheiro" supostamente oriundo do esquema de desvios no órgão revelado pela Operação Bereré.

De acordo com o delator, Grilo foi quem recebeu um total de R$ 750 mil prometidos pelo esquema à campanha do parlamentar.

A agência do BB era onde a FDL (atual EIG Mercados), empresa apontada como pivô dos desvios, "efetuava suas movimentações".


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 16h06 » Conduta vedada
13.07.18 11h01 » Ex-prefeita de Juara
12.07.18 16h02 » Presos na Bereré
11.07.18 17h02 » Esquema milionário
10.07.18 16h36 » Alvo da Rêmora
09.07.18 11h45 » Desvios no Detran
05.07.18 17h56 » Grampolândia
03.07.18 17h50 » “Sono dos justos”
03.07.18 16h57 » MPF e PF: omissão
02.07.18 17h03 » Crime ambiental



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet