Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...

Tamanho do texto A- A+
25.10.2017 | 17h51
Tática de defesa
Por benefício, delator da Operação Ventríloquo usa “desgraça alheia”
DA REDAÇÃO
Julio Cesar Domingues Rodrigues

O advogado Júlio César Rodrigues, delator de esquema

Para tentar obter perdão judicial, o advogado Júlio César Rodrigues, delator da Operação Ventríloquo, que apura suposto desvio de R$ 9,4 milhões da Assembleia, usou o fato de o primeiro delator da operação, o advogado Joaquim Mielli, ter sido “pego na mentira”.

Em requerimento à juíza Selma Arruda, Julio César registrou que foram os vídeos entregues por ele que mostraram que Mielli ocultou de propósito a participação do deputado estadual Romoaldo Júnior (PMDB) no esquema. A situação levou o Ministério Público a pedir a rescisão da delação de Mielli.

“Diante do exposto e em atendimento ao princípio da isonomia, requer a aplicação do perdão judicial do réu, nos termos do artigo 51 do Código de Processo Penal e do inciso IX do Código Penal, uma vez que tal benefício fora oportunizado ao suposto ‘colaborador’, ludibriante”, disse Júlio César, alfinetando Joaquim Mielli.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
16.11.17 11h49 » Juiz denunciou
14.11.17 10h01 » Sem propina
14.11.17 09h13 » Cúpula da PF
11.11.17 10h57 » Embate jurídico
10.11.17 11h13 » Prescreveu
09.11.17 17h44 » Fraude na Seduc
09.11.17 17h42 » Auxílio-moradia
08.11.17 16h53 » Precatórios
08.11.17 16h17 » Estrela no TCE-MT
07.11.17 10h50 » Ex-vereador



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet