Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...

Tamanho do texto A- A+
25.10.2017 | 11h41
Detenção
Confissão do empresário Alan Malouf reduziu pouco a pena
DA REDAÇÃO
Alan Malouf

O empresário Alan Malouf: confissão teve pouco resultado

A confissão do empresário Alan Malouf sobre o esquema de fraudes e propina na Secretaria de Estado de Educação (Seduc) influenciou pouco na sentença que o condenou a 11 anos, um mês e 10 dias de reclusão.

Ele foi condenado na última segunda-feira (23), pela juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, na ação penal derivada da Operação Rêmora.

Conforme a decisão, a “atenuante” de ter confessado foi praticamente anulada pelo fato de Alan Malouf ser um dos "líderes da organização criminosa" e, segundo a magistrada, a confissão ocorreu “da forma que mais lhe convinha”.

No cálculo final, a confissão diminuiu a pena do empresário em 10 meses de reclusão.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
16.11.17 11h49 » Juiz denunciou
14.11.17 10h01 » Sem propina
14.11.17 09h13 » Cúpula da PF
11.11.17 10h57 » Embate jurídico
10.11.17 11h13 » Prescreveu
09.11.17 17h44 » Fraude na Seduc
09.11.17 17h42 » Auxílio-moradia
08.11.17 16h53 » Precatórios
08.11.17 16h17 » Estrela no TCE-MT
07.11.17 10h50 » Ex-vereador



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet