Artigos
  • THAYSON HENRIQUE MOTA
    Tribunais inferiores continuavam a proferir decisões pela formação de grupo econômico sustentando o poder de comando em face da mera identidade de sócios
  • RODRIGO CARVALHO
    Não cabe a nenhum órgão de controle interno ou externo e ao Judiciário criar limites à função do procurador
  • RENATO NERY
    Quanta gente não se embriagou com milionários cargos públicos supridos pela desenfreada corrupção?
  • VICTOR MAIZMAN
    A Constituição impõe que no tocante ao ICMS, quanto mais essencial for o produto ou serviço, menor deve ser a alíquota

Tamanho do texto A- A+
03.10.2017 | 11h07
Operação Esdras
Empresário preso esclarece dúvidas do Sistema Sentinela
DA REDAÇÃO
lesco

O coronel Evandro Lesco, que teria adquirido o Sistema Sentinela

Um dos presos pela Polícia Civil na Operação Esdras, que investiga o esquema de grampos ilegais em Mato Grosso, o empresário José Marilson da Silva, ex-sócio-proprietário da Empresa Simples IP, prestou depoimento nesta segunda-feira (2).

À delegada Ana Cristina Feldner, ele esclareceu, segundo apurou o MidiaNews, dúvidas quanto a entrega do Sistema Sentinela, utilizado para escutas telefônicas pelo Núcleo de Inteligência da Polícia Militar.

O sistema, até o momento, tem o paradeiro desconhecido. A suspeita é que o equipamento foi adquirido por meio do coronel Evandro  Lesco. Segundo a Polícia Civil, Marilson não teria apenas desenvolvido e comercializado o Sistema Sentinela com a "organização criminosa", e, sim, em princípio, "ele integrava o próprio grupo".

Diz a denúncia: "Seu papel não era meramente secundário, de coadjuvante, até mesmo porque o Cel. PM Lesco disse ao Ten. Cel. Soares que o equipamento Wytron estaria guardado com o Marilson”.

"Além disso, há documento que comprova que o rack do Sistema Sentinela foi retirado da empresa Titânia justamente por José Marilson da Silva, havendo fortes indícios de que a parafernália esteja sob sua responsabilidade. Não bastassem tais fatos, a autoridade policial relatou que há indícios de que José Marilson da Silva tem frequentado a Secretaria de Estado de Segurança Pública, o que corrobora sua provável ligação com o grupo criminoso."


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
17.10.17 17h29 » Efeito STJ
17.10.17 16h30 » Clima de otimismo
17.10.17 16h19 » Escutas no STJ
16.10.17 15h58 » Efeito “subida”
16.10.17 11h54 » Equívoco
16.10.17 11h50 » Contrato suspeito
14.10.17 11h36 » Grampos no STJ
14.10.17 11h33 » Decisão do STJ
14.10.17 09h37 » Cartas Marcadas
13.10.17 18h02 » Acusada de tortura



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet