Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Poder Público deve enxergar aqueles que são a quase totalidade do setor produtivo do nosso Estado
  • JULIANO RIZENTAL
    Em MT, o regimento do TCE disciplinou que outros atores sociais podem dar início a processos de fiscalização
  • CARLOS ARECO
    O impacto criminal do decreto estadual n. 08/2019 e o artigo 96 da lei de licitações nº.8.666/93
STF / GREVE DOS CAMINHONEIROS

Tamanho do texto A- A+
08.06.2018 | 17h56
Ministro do STF aplica multa de R$ 506 milhões a 46 empresas
Alexandre de Moraes atendeu pedido da Advocacia-Geral da União
Givaldo Barbosa / Agência O Globo
O ministro Alexandre de Moraes, do STF
MARCOS LOSEKANN E MARIANA OLIVEIRA
DA TV GLOBO

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (8) que mais 46 empresas paguem em até 15 dias o montante de R$ 506,5 milhões em multas por bloqueio de rodovias em razão da greve dos caminhoneiros.

As multas variam em torno de R$ 11 milhões para cada empresa. A greve dos caminhoneiros, que terminou no fim de maio, durou 11 dias e gerou crise de desabastecimento em todos país.

No mês passado, quando a greve dos caminhoneiros completou cinco dias, Moraes, atendendo pedido da AGU, autorizou o uso das forças de segurança pública para o desbloqueio de rodovias ocupadas por grevistas e impôs multa de R$ 100 mil por hora às entidades que atuassem nas interdições de vias, além de multa de R$ 10 mil por dia para motorista que obstruísse a pista.

Depois disso, o ministro deu três decisões aplicando multas por descumprimento à ordem dele. As multas já aplicadas até agora somam R$ 715,1 milhões a 151 empresas.

O ministro considerou que houve "abuso no exercício dos direitos de reunião e greve" por conta "da obstrução do tráfego em rodovias e vias públicas", impedindo o abastecimento de combustíveis e outros insumos.

"O quadro fático revela com nitidez um cenário em que o abuso no exercício dos direitos constitucionais de reunião e greve acarretou um efeito desproporcional e intolerável sobre todo o restante da sociedade", destacou na ocasião.

Assim como nas decisões anteriores, Alexandre de Moraes estabeleceu que, caso não haja pagamento voluntário, as empresas poderão ter penhora de bens. Moraes repetiu argumentação da decisão anterior, quando apontou um quadro de desrespeito ao STF, o que justificou, na análise dele, imposição de multas.

Segundo o ministro, o governo pediu aumento de multas a empresas atingidas em decisões anteriores por reiteração no descumprimento de ordem judicial. Em relação a esse pedido, o ministro considerou adequado aguardar as empresas se manifestarem sobre a questão.

"Razoável que se aguarde a citação dos responsáveis, já determinada, oportunidade em que, inclusive à luz do contraditório, será examinado com cognição mais exauriente e eventual aplicação", afirmou.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
22.02.19 10h05 » STF pede que Dodge apure se há perseguição a Gilmar no MP
21.02.19 15h48 » Marco Aurélio envia inquérito de Onyx Lorenzoni a Justiça Eleitoral
21.02.19 10h49 » Gilmar Mendes dá prazo de 12 meses para regulamentação
21.02.19 08h52 » Fachin rejeita pedido de liberdade feito pelo ex-presidente Lula
21.02.19 08h03 » Homofobia é forma de racismo contemporâneo, afirma Celso de Mello
21.02.19 07h59 » Gilmar Mendes suspende ação penal após PF alterar transcrições
20.02.19 08h57 » Fux suspende bloqueio de R$ 612 milhões das contas de MG
20.02.19 08h04 » STF nega recurso e WF segue réu por “máfia das ambulâncias”
18.02.19 15h02 » "O 'lavajatismo' invadiu a Receita Federal", afirma Mendes
16.02.19 08h42 » Gilmar Mendes manda soltar pela 2º vez prefeito afastado de Mauá



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet