Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Poder Público deve enxergar aqueles que são a quase totalidade do setor produtivo do nosso Estado
  • JULIANO RIZENTAL
    Em MT, o regimento do TCE disciplinou que outros atores sociais podem dar início a processos de fiscalização
STF / SUPOSTA PROPINA

Tamanho do texto A- A+
07.06.2018 | 16h29
Edson Fachin nega quebra de sigilo telefônico de Michel Temer
PF pediu a quebra do sigilo no inquérito que apura o suposto pagamento de propina pela Odebrecht ao MDB
Alan Santos/PR
Eliseu Padilha (Casa Civil), Michel Temer e Moreira Franco (Minas e Energia)
CAMILA BOMFIM
DA TV GLOBO

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou a quebra do sigilo telefônico do presidente Michel Temer, mas autorizou a medida para os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Minas e Energia), ambos do MDB.

A quebra do sigilo foi pedida pela Polícia Federal no âmbito do inquérito que apura o suposto pagamento de propina de R$ 10 milhões, pela Odebrecht, quando o MDB comandava a Secretaria de Aviação Civil.

Procurado, o advogado de Padilha, Daniel Gerber afirmou: "O ministro nada deve, não está preocupado e se manifestará apenas nos autos". O G1 procurou a defesa de Moreira e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Em parecer ao Supremo, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a quebra de sigilo somente para os ministros, se posicionando contra a medida no caso de Temer.

Para Dodge, ainda não há indícios que vinculem o presidente diretamente ao caso.

Entenda

A Polícia Federal queria a quebra do sigilo do presidente alegando que a medida possibilitaria verificar informações apresentadas nas delações de executivos da Odebrecht.

Em depoimento, Cláudio Mello Filho (ex-executivo da construtora) afirmou ao Ministério Público Federal (MPF) que Temer pediu em 2014 R$ 10 milhões a Marcelo Odebrecht.

Segundo Mello Filho, quando Temer ocupava a Vice-presidência da República, ele compareceu a um jantar no Palácio do Jaburu, com a participação de Marcelo Odebrecht, e do ministro Eliseu Padilha.

Ainda de acordo com o delator, neste encontro, Temer solicitou "direta e pessoalmente" a Marcelo Odebrecht apoio financeiro para as campanhas do MDB em 2014.

Sobre esse assunto, o presidente já admitiu que houve o jantar, mas sempre disse que não falaram de valores. O inquérito investiga esse suposto de pagamento de propina pela construtora na Secretaria de Aviação Civil quando a pasta foi comandada pelo MDB.

Esta foi a primeira vez que houve um pedido de quebra de sigilo telefônico em uma investigação que envolve o presidente.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2019
22.02.19 10h05 » STF pede que Dodge apure se há perseguição a Gilmar no MP
21.02.19 15h48 » Marco Aurélio envia inquérito de Onyx Lorenzoni a Justiça Eleitoral
21.02.19 10h49 » Gilmar Mendes dá prazo de 12 meses para regulamentação
21.02.19 08h52 » Fachin rejeita pedido de liberdade feito pelo ex-presidente Lula
21.02.19 08h03 » Homofobia é forma de racismo contemporâneo, afirma Celso de Mello
21.02.19 07h59 » Gilmar Mendes suspende ação penal após PF alterar transcrições
20.02.19 08h57 » Fux suspende bloqueio de R$ 612 milhões das contas de MG
20.02.19 08h04 » STF nega recurso e WF segue réu por “máfia das ambulâncias”
18.02.19 15h02 » "O 'lavajatismo' invadiu a Receita Federal", afirma Mendes
16.02.19 08h42 » Gilmar Mendes manda soltar pela 2º vez prefeito afastado de Mauá



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet