Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
STF / EVENTO EM MACEIÓ

Tamanho do texto A- A+
28.05.2018 | 16h07
Cármen Lúcia reafirma sua confiança na magistratura brasileira
“Há muita coisa a ser feita, mas não temos um Judiciário construído", diz ministra
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Carmém Lúcia: presidente do CNJ e STF
DO CNJ

“Da minha parte, como cidadã, professora de direito constitucional e juíza, sou a favor de um Poder Judiciário forte, independente e eficiente”, afirmou a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, durante evento em Maceió na sexta-feira (25).

A ministra foi uma das participantes do painel Temas Relevantes da Magistratura Atual, promovido pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) durante o XXIII Congresso Brasileiro de Magistrados. Na exposição, a presidente do STF e do CNJ reafirmou sua confiança na magistratura nacional e falou sobre a busca por melhorias, inclusive materiais, no Poder Judiciário. 

“Há muita coisa a ser feita, mas não temos um Judiciário construído, temos um Judiciário permanentemente em construção para atender às demandas da cidadania”, disse Cármen Lúcia.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também participou do debate, que contou ainda com a presença do presidente da AMB, Jayme de Oliveira, e da vice-presidente Institucional da AMB e presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj), Renata Gil.

Maia agradeceu o bom diálogo feito de forma permanente entre os dois Poderes. “Que a gente possa modernizar as leis para garantir a cada um de vocês melhores instrumentos para o trabalho e com a certeza de que nada na Câmara dos Deputados aconteceu sem ter sido muito dialogado, principalmente quando uma decisão afeta outro poder”, declarou o deputado.

“A politização do Judiciário ou a judicialização da política?” é o tema do congresso promovido pela entidade que representa juízes de todos os ramos da Justiça brasileira.

Para o encerramento do congresso, no sábado,  estava prevista a uma conferência do vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, o alagoano Humberto Martins, que, em agosto, assume a Corregedoria Nacional de Justiça.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
17.10.18 17h44 » Barroso valida delação de dono da Engevix que cita Temer
16.10.18 08h33 » Ministro do STF determina arquivamento de inquérito contra Maggi
15.10.18 16h18 » Novelli cita baixa produtividade de substitutos e pede para voltar
11.10.18 17h02 » STF reafirma legalidade da terceirização em atividades-fim
10.10.18 16h42 » Lewandowski concede decisão para Garotinho não ser preso
10.10.18 14h38 » STF prorroga investigação contra deputado de MT delatado por Silval
05.10.18 15h57 » Gilmar Mendes manda soltar irmão de Beto Richa e mais 7
04.10.18 17h02 » Gilmar Mendes lança livros sobre Constituição e atuação no STF
04.10.18 08h01 » Celso de Mello homologa delação premiada fechada por Marcos Valério
03.10.18 16h19 » Não há necessidade de uma nova Constituinte, afirma Dias Toffoli



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet