Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Órgão é essencial para a democracia e melhor desempenho da administração pública
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    Só agora se vê a efetiva possibilidade de uma compensação financeira
  • RENATO GOMES NERY
    Temos um presidente cercado de militares que namora com o autoritarismo
STF / OFÍCIO À PRESIDENTE DO STF

Tamanho do texto A- A+
24.04.2018 | 14h34
Marco Aurélio decide não levar 'em mesa' votação sobre 2ª instância
No caso das duas ADCs, Cármen Lúcia é quem decide colocá-las na paura de julgamentos
Carlos Humberto/SCO/STF
O ministro Marco Aurelio Mello, do STF
DO BLOG DA ANDRÉIA SADI

O ministro Marco Aurelio Mello enviou um ofício nesta segunda-feira (23) à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, liberando para julgamento em plenário duas ações declaratórias de constitucionalidade que pedem para que seja rediscutida na Corte a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância.

Ao blog, o ministro explicou que liberou a ação protocolada pelo PCdoB na semana passada e também reiterou pedido de liminar do Partido Ecológico Nacional sobre o tema.

O PEN havia pedido ao ministro a suspensão da liminar. Marco Aurélio acatou o pleito. Mas, ao fim do prazo, o PEN não retirou a liminar. "Como eles não encaminharam um pedido de desistência, ela [a liminar] está valendo", explicou o ministro.

Marco Aurélio afirmou que não levará "em mesa" nenhuma ação neste sentido na sessão desta quarta-feira no STF. "Isso geraria muito desgaste para o tribunal, não há necessidade", disse o ministro.

Levar em mesa significa que o julgamento da ação não dependeria de a ministra Carmen Lúcia pautar o tema em plenário. O ministro poderia submeter o caso aos colegas por conta própria.

No caso das duas ADCs encaminhadas à presidente, Cármen Lúcia é quem decide colocá-las na paura de julgamentos.

"A ministra avaliará o melhor momento. As cartas estão com ela", afirmou Marco Aurélio.

Carmen Lúcia já declarou mais de uma vez, publicamente, que não vê motivo para reabrir a discussão sobre a prisão após a segunda instância.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2019
18.01.19 17h02 » Ministro diz que remete 'ao lixo' reclamações como as de Flávio Bolsonaro
17.01.19 17h20 » Fux para investigação sobre o ex-assessor de Flávio Bolsonaro
17.01.19 17h10 » PCdoB vai ao Supremo contra decreto sobre posse de armas
17.01.19 17h05 » Ministros do STF se surpreendem com pedido de Flávio Bolsonaro
12.01.19 10h18 » Defesa de João de Deus pede ao STF desistência de habeas corpus
11.01.19 17h45 » STF proíbe prefeituras de pagar advogados com verba de Fundeb
09.01.19 16h02 » Toffoli nega pedido para votação aberta da Mesa Diretora
08.01.19 16h52 » Dias Toffoli analisa recurso contra votação aberta no Senado
04.01.19 17h41 » Ministros avaliam ser difícil STF reverter em abril decisão
Dezembro de 2018
31.12.18 11h25 » Fux valida execução provisória da pena de condenado por matar policial em blitz



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet