Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Ainda não decidi em QUEM vou votar nas próximas eleições, mas em QUE vou votar
STF / ESQUEMA DE PROPINA

Tamanho do texto A- A+
30.03.2018 | 17h02
Barroso diz que prisões da operação Skala serão reavaliadas
Operação deflagrada pela PF prendeu dois amigos do presidente Michel Temer
Reprodução
FELIPE AMORIM
DO UOL

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso afirmou, em decisão desta sexta-feira (30), que os recursos apresentados por advogados contra as prisões decretadas na operação Skala, que investiga o presidente Michel Temer (MDB), serão julgados somente após o fim dos depoimentos à Polícia Federal.

Foi decretada a prisão temporária de 13 pessoas no inquérito que investiga se houve irregularidades na edição por Temer de um decreto sobre o setor portuário. As prisões foram realizadas na quinta-feira (29). Até a tarde desta sexta-feira, eram realizados depoimentos na Polícia Federal em São Paulo.

Operação prendeu empresários e ex-ministro

A Operação Skala, deflagrada pela Polícia Federal na quinta, prendeu dois amigos do presidente Michel Temer (https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/03/amigo-eex-assessor-de-temer-yunes-e-preso.shtml): o advogado e ex-assessor José Yunes e o coronel da PM aposentado João Batista de Lima. Além deles, outras 11 pessoas foram presas.

Entre elas estão os empresários Antônio Celso Grecco, da empresa Rodrimar, Celina Borges Torrealba, do Grupo Libra, e o ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi.  As prisões aconteceram como resultado do inquérito contra Michel Temer que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) e que apura as suspeitas de que Temer recebia vantagens indevidas de empresas do setor portuário e, em troca, as beneficiava por meio de leis e medidas provisórias

Esquema de portos funcionaria há 20 anos Segundo despacho de Barroso, relator do inquérito, há suspeitas de que o esquema do qual Temer se beneficiaria estaria em funcionamento há pelo menos 20 anos (https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/03/decisao-cita-favorecimento-emportos-e-no-setor-eletrico.shtml).

A expectativa é que uma terceira denúncia contra o presidente Temer possa ser apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) nos próximos dias. Temer já foi alvo de outras duas denúncias, ambas com andamento suspenso por decisão da Câmara dos Deputados (https://noticias.uol.com.br/ultimasnoticias/bbc/2017/10/25/camara-livra-temer-de-segunda-denuncia.htm).

Na última quinta-feira, ministros e assessores próximos saíram em defesa de Temer. O argumento era de que as prisões não seriam necessárias e que elas tinham o único objetivo de "constranger" o presidente. O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, voltou a dizer que a MP (medida provisória) dos Portos não beneficiaria a Rodrimar, uma das empresas cuja ligação com Temer é investigada. (*Com Estadão Conteúdo)


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 17h08 » Presidente do STF não vê urgência e nega HC a empresário
06.07.18 12h42 » STF tenta acordo sobre repasse de recursos de loteria à segurança
06.07.18 12h27 » Cármen Lúcia proíbe que União bloqueie R$ 575 milhões das contas do RJ
06.07.18 12h23 » Toffoli suspende lei que proíbe abordagem sobre gênero
02.07.18 16h27 » Ministra do Supremo nega pedido de liberdade de Mauro Savi
Junho de 2018
29.06.18 17h20 » Alexandre de Moraes nega novo pedido de liberdade de Lula
29.06.18 16h27 » Ministro do Supremo libera porte de arma para guardas municipais
29.06.18 16h23 » STF deve decidir em agosto se filhos podem ser alfabetizados
29.06.18 16h19 » Supremo decide que imposto sindical não é obrigatório
28.06.18 15h19 » Fachin libera para o plenário do Supremo pedido de liberdade de Lula



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet