Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    De todo modo, é certo afirmar que não há hierarquia entre as aludidas secretarias
  • RODRIGO MUDROVITSCH
    A reforma regulatória parece visar corrigir insuficiências do modelo atual
STF / OPERAÇÃO ZELOTES

Tamanho do texto A- A+
27.03.2018 | 15h15
STF rejeita denúncia contra Romero Jucá e Jorge Gerdau por corrupção
Ministros não viram ligação entre doação eleitoral e alteração em medida provisória
Jefferson Rudy/Agência Senado
O líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), durante discurso na tribuna da Casa nesta terça-feira (13)
RENAN RAMALHO
DO G1

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta terça-feira (27) uma denúncia contra o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o empresário Jorge Gerdau por suposta prática de corrupção e lavagem de dinheiro.

Os dois foram acusados em agosto de 2017 pela Procuradoria Geral da República (PGR) dentro da Operação Zelotes, que apurava inicialmente fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), o tribunal de recursos da Receita Federal.

A acusação, contudo, apontava suposto pagamento de propina a Jucá, no valor de R$ 1,3 milhão, por meio de doações eleitorais de campanha em 2010 e 2014, em troca de mudanças legislativas numa medida provisória de 2013 para favorecer o grupo Gerdau, sobretudo na área tributária em transações no mercado externo.

Na sessão desta terça, o relator do caso, ministro Edson Fachin, e os ministros Dias Toffoli e Celso de Mello, votaram pela rejeição da denúncia e arquivamento do caso. Disseram não enxergar na denúncia um “nexo de causalidade” (ligação) entre as alterações feitas na lei e as doações de campanha para Jucá e o PMDB.

“Nada há de concreto que as negociações em torno dessa medida provisória resultaram em efetiva promessa e recebimento de vantagem indevida. Não apresentou a denúncia elementos hábeis para dizer que as doações eleitorais representariam vantagens indevidas. Isso em 2010”, disse Fachin, acrescentando que a PGR não apresentou outros indícios dessa ligação.

Não participaram do julgamento os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, ausentes na sessão.

A defesa de Romero Jucá alegou que, além da falta de ligação entre doação e mudança na MP, as alterações na legislação beneficiaram outras empresas exportadoras e que as discussões ocorreram com todo o setor, de forma oficial, não só no Senado, mas também junto ao governo.

Jorge Gerdau alegou ainda que as doações não tinham relação com as mudanças na legislação, já que foram feitas muito tempo antes ou depois da tramitação da medida provisória.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2019
18.01.19 17h02 » Ministro diz que remete 'ao lixo' reclamações como as de Flávio Bolsonaro
17.01.19 17h20 » Fux para investigação sobre o ex-assessor de Flávio Bolsonaro
17.01.19 17h10 » PCdoB vai ao Supremo contra decreto sobre posse de armas
17.01.19 17h05 » Ministros do STF se surpreendem com pedido de Flávio Bolsonaro
12.01.19 10h18 » Defesa de João de Deus pede ao STF desistência de habeas corpus
11.01.19 17h45 » STF proíbe prefeituras de pagar advogados com verba de Fundeb
09.01.19 16h02 » Toffoli nega pedido para votação aberta da Mesa Diretora
08.01.19 16h52 » Dias Toffoli analisa recurso contra votação aberta no Senado
04.01.19 17h41 » Ministros avaliam ser difícil STF reverter em abril decisão
Dezembro de 2018
31.12.18 11h25 » Fux valida execução provisória da pena de condenado por matar policial em blitz



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet