Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    O habeas corpus protocolado em favor do ex-presidente Lula começou juridicamente errado
  • RENATO GOMES NERY
    Livro expõe como a polícia americana age para debelar o crime organizado, com a aplicação da Lei Rico
STF / MALEBOLGE

Tamanho do texto A- A+
21.03.2018 | 11h58
Ministro do Supremo prorroga inquérito contra autoridades de MT
Luiz Fux atendeu a um pedido da Procuradoria-Geral da República; decisão é do dia 2 de março
Arquivo/MidiaNews
O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux
ARTHUR SANTOS DA SILVA
DA GAZETA

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) e deu mais 45 dias para o enceramento do inquérito que investiga a prática de crimes supostamente a mando do ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), em conjunto com outros nomes e fatos delatados recentemente. A decisão é do dia 2 de março.

O procedimento é oriundo do acordo de colaboração premiada do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa.

O político revelou a existência de uma organização que teria praticado os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa, obstrução de investigação criminal e outros delitos conexos.

A delação do ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf, também serviu como fonte.

As investigações duram mais de 6 meses e arrolam, além de Maggi, personagens como os conselheiros afastados do Tribunal de Contas de Mato Grosso, José Carlos Novelli, Antônio Joaquim Moraes, Waldir Júlio Teis, Walter Albano da Silva e Sérgio Ricardo de Almeida. O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), também é alvo.

Justamente pela quantidade grande de nomes, as investigações estão em fase inicial. “Ainda existem núcleos fáticos descritos pelos colaboradores cuja instrução sequer foi iniciada”, afirmou Fux em sua decisão que prorrogou o encerramento do inquérito.

As investigações seguem no Supremo Tribunal Federal por prerrogativa de foro do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Ocorre que novas revelações ainda podem mudar o rumo do inquérito.

“Apenas após o aprofundamento da investigação de todos os núcleos fáticos pertinentes é que se poderá identificar com maior clareza quais abrigam indícios concretos do envolvimento de autoridades com prerrogativa de foro no Supremo Tribunal Federal e qual o nível de conexão entre uns e outros a justificar o desmembramento ou a excepcional reunião da apuração”, salientou Fux.

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 17h08 » Presidente do STF não vê urgência e nega HC a empresário
06.07.18 12h42 » STF tenta acordo sobre repasse de recursos de loteria à segurança
06.07.18 12h27 » Cármen Lúcia proíbe que União bloqueie R$ 575 milhões das contas do RJ
06.07.18 12h23 » Toffoli suspende lei que proíbe abordagem sobre gênero
02.07.18 16h27 » Ministra do Supremo nega pedido de liberdade de Mauro Savi
Junho de 2018
29.06.18 17h20 » Alexandre de Moraes nega novo pedido de liberdade de Lula
29.06.18 16h27 » Ministro do Supremo libera porte de arma para guardas municipais
29.06.18 16h23 » STF deve decidir em agosto se filhos podem ser alfabetizados
29.06.18 16h19 » Supremo decide que imposto sindical não é obrigatório
28.06.18 15h19 » Fachin libera para o plenário do Supremo pedido de liberdade de Lula



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet