Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
STF / EX-SECRETÁRIO DE CABRAL

Tamanho do texto A- A+
08.02.2018 | 14h41
Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
Ex-secretário de Saúde foi preso em abril de 2017 em desdobramento da Lava Jato
TV Globo
Sérgio Côrtes deixando presídio
DO G1

O ex-secretário de Saúde do governo Sérgio Cabral, Sérgio Côrtes, deixou a prisão por volta das 15h30 desta quinta-feira (8). Ele estava preso na Cadeia Pública de Benfica, na Zona Norte do Rio, desde abril do ano passado. A decisão de liberar Côrtes foi do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribuna Federal (STF).

Côrtes foi preso durante a Operação Fatura Exposta, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que investigou fraudes em licitações de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). O ministro determina que o ex-secretário entregue o passaporte em até 48 horas e permaneça em recolhimento domiciliar à noite, nos fins de semana e feriados.

O ministro Gilmar Mendes entendeu que o caso do ex-secretário é semelhante aos dos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estelita, também presos na Lava Jato, e soltos também pela decisão do ministro.

Investigação

As prisões foram pedidas a partir da delação premiada de César Romero, que trabalhou com o ex-diretor do Into, ex-secretário executivo de Côrtes na Saúde, e foi o resposável por entregar todo o esquema. A delação foi homologada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

A operação Fatura Exposta investigou fraudes em licitações para o fornecimento de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Os investigadores afirmam que, entre 2006 e 2017, os desvios chegaram a R$ 300 milhões.

De acordo com as investigações, quando era diretor do Into, Sérgio Côrtes teria favorecido a empresa Oscar Iskin, da qual Miguel é sócio, nas licitações do órgão. Gustavo Estellita é sócio de Miguel em outras empresas e já foi gerente comercial da Oscar Iskin. A empresa é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 10h51 » Nadaf diz que associação teria pago R$ 2 mi de propina a Riva
18.05.18 10h37 » STF “desce” para MT ação que acusa Bezerra de fraudar certame
16.05.18 09h05 » STF manda Governo pagar duodécimos atrasados da Defensoria
15.05.18 10h17 » Fux poderá “descer” inquérito contra Blairo para 1ª Instância
08.05.18 17h38 » Moraes tira inquérito sobre Aécio do STF e envia à 1ª instância
08.05.18 17h33 » STF torna Geddel e Lúcio Vieira Lima réus no caso dos R$ 51 milhões
08.05.18 13h57 » Ministro "desce" ação contra senador de MT para a 1ª instância
07.05.18 17h57 » Barroso prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga Temer
05.05.18 09h40 » STF deve julgar na quarta pedido que pode ampliar foro privilegiado
05.05.18 09h34 » Cármen Lúcia quer solução para auxílio-moradia de juízes até junho



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet