Artigos
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
  • LUIZ GONÇALO DA SILVA
    O posicionamento do STF amplia a possibilidade de surgimento de novas empresas e de ampliação de postos de trabalho
  • LEONARDO CAMPOS
    Impôs derrotas acachapantes, renovou na medida de sua vontade e deixou claro suas prioridades mais imediatas
STF / EX-SECRETÁRIO DE CABRAL

Tamanho do texto A- A+
08.02.2018 | 14h41
Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
Ex-secretário de Saúde foi preso em abril de 2017 em desdobramento da Lava Jato
TV Globo
Sérgio Côrtes deixando presídio
DO G1

O ex-secretário de Saúde do governo Sérgio Cabral, Sérgio Côrtes, deixou a prisão por volta das 15h30 desta quinta-feira (8). Ele estava preso na Cadeia Pública de Benfica, na Zona Norte do Rio, desde abril do ano passado. A decisão de liberar Côrtes foi do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribuna Federal (STF).

Côrtes foi preso durante a Operação Fatura Exposta, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que investigou fraudes em licitações de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). O ministro determina que o ex-secretário entregue o passaporte em até 48 horas e permaneça em recolhimento domiciliar à noite, nos fins de semana e feriados.

O ministro Gilmar Mendes entendeu que o caso do ex-secretário é semelhante aos dos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estelita, também presos na Lava Jato, e soltos também pela decisão do ministro.

Investigação

As prisões foram pedidas a partir da delação premiada de César Romero, que trabalhou com o ex-diretor do Into, ex-secretário executivo de Côrtes na Saúde, e foi o resposável por entregar todo o esquema. A delação foi homologada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

A operação Fatura Exposta investigou fraudes em licitações para o fornecimento de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Os investigadores afirmam que, entre 2006 e 2017, os desvios chegaram a R$ 300 milhões.

De acordo com as investigações, quando era diretor do Into, Sérgio Côrtes teria favorecido a empresa Oscar Iskin, da qual Miguel é sócio, nas licitações do órgão. Gustavo Estellita é sócio de Miguel em outras empresas e já foi gerente comercial da Oscar Iskin. A empresa é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 08h33 » Ministro do STF determina arquivamento de inquérito contra Maggi
15.10.18 16h18 » Novelli cita baixa produtividade de substitutos e pede para voltar
11.10.18 17h02 » STF reafirma legalidade da terceirização em atividades-fim
10.10.18 16h42 » Lewandowski concede decisão para Garotinho não ser preso
10.10.18 14h38 » STF prorroga investigação contra deputado de MT delatado por Silval
05.10.18 15h57 » Gilmar Mendes manda soltar irmão de Beto Richa e mais 7
04.10.18 17h02 » Gilmar Mendes lança livros sobre Constituição e atuação no STF
04.10.18 08h01 » Celso de Mello homologa delação premiada fechada por Marcos Valério
03.10.18 16h19 » Não há necessidade de uma nova Constituinte, afirma Dias Toffoli
03.10.18 09h58 » Gilmar nega HC de executivo do banco Original, do grupo JBS



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet