Artigos
  • FRANCISCO BRITO JUNIOR
    Os partidos pequenos precisam traçar estratégias para continuar sua existência por meio de registro de candidatos com força eleitoral
  • ANTONIO SÉRGIO PITOMBO
    Este tipo de profissional do Direito engana a si mesmo e a seus clientes
  • JOSÉ RENATO CORDOVEZ
    MT e outros Estados erraram ao instituir tarifas sobre a base de cálculo da energia elétrica
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática
STF / EX-SECRETÁRIO DE CABRAL

Tamanho do texto A- A+
08.02.2018 | 14h41
Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
Ex-secretário de Saúde foi preso em abril de 2017 em desdobramento da Lava Jato
TV Globo
Sérgio Côrtes deixando presídio
DO G1

O ex-secretário de Saúde do governo Sérgio Cabral, Sérgio Côrtes, deixou a prisão por volta das 15h30 desta quinta-feira (8). Ele estava preso na Cadeia Pública de Benfica, na Zona Norte do Rio, desde abril do ano passado. A decisão de liberar Côrtes foi do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribuna Federal (STF).

Côrtes foi preso durante a Operação Fatura Exposta, desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro que investigou fraudes em licitações de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). O ministro determina que o ex-secretário entregue o passaporte em até 48 horas e permaneça em recolhimento domiciliar à noite, nos fins de semana e feriados.

O ministro Gilmar Mendes entendeu que o caso do ex-secretário é semelhante aos dos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estelita, também presos na Lava Jato, e soltos também pela decisão do ministro.

Investigação

As prisões foram pedidas a partir da delação premiada de César Romero, que trabalhou com o ex-diretor do Into, ex-secretário executivo de Côrtes na Saúde, e foi o resposável por entregar todo o esquema. A delação foi homologada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal.

A operação Fatura Exposta investigou fraudes em licitações para o fornecimento de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Os investigadores afirmam que, entre 2006 e 2017, os desvios chegaram a R$ 300 milhões.

De acordo com as investigações, quando era diretor do Into, Sérgio Côrtes teria favorecido a empresa Oscar Iskin, da qual Miguel é sócio, nas licitações do órgão. Gustavo Estellita é sócio de Miguel em outras empresas e já foi gerente comercial da Oscar Iskin. A empresa é uma das maiores fornecedoras de próteses do Rio.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
15.02.18 15h02 » Ex-assessor de Silval pede ao STF para sair da prisão domiciliar
15.02.18 09h12 » Competência para julgar caso Cristiane Brasil é do Supremo
13.02.18 09h22 » Toffoli defende tributação do empregador sobre o terço de férias
13.02.18 08h22 » STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes
09.02.18 17h53 » Ministro Luiz Fachin nega pedido de Lula para evitar prisão
09.02.18 17h47 » Ministra diz que Judiciário tem 'débito enorme com a sociedade'
08.02.18 14h41 » Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
07.02.18 17h27 » Supremo decide que planos de saúde reembolsem o SUS
06.02.18 16h09 » Turma do Supremo determina prisão imediata após 2ª instância
06.02.18 15h22 » Hoje pratica-se a regra da prisão provisória definitiva, critica Gilmar Mendes



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet