Artigos
  • FRANCISCO BRITO JUNIOR
    Os partidos pequenos precisam traçar estratégias para continuar sua existência por meio de registro de candidatos com força eleitoral
  • ANTONIO SÉRGIO PITOMBO
    Este tipo de profissional do Direito engana a si mesmo e a seus clientes
  • JOSÉ RENATO CORDOVEZ
    MT e outros Estados erraram ao instituir tarifas sobre a base de cálculo da energia elétrica
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática
STF / EXECUÇÃO ANTECIPADA

Tamanho do texto A- A+
05.02.2018 | 17h59
Supremo não pode se submeter a forças políticas de momento, diz Lewandowski
O réu foi condenado por tráfico com agravante de ter sido cometido com “grave violência”
Reprodução
Ricardo Lewandoski: ministro do STF
DO CONSULTOR JURÍDICO

“Nossa Constituição não é uma mera folha de papel, que pode ser rasgada sempre que contrarie as forças políticas do momento.” A frase é do ministro Ricardo Lewandoski, do Supremo Tribunal Federal, que cassou ordem de prisão fundamentada no fato de o segundo grau de jurisdição já ter se esgotado. A liminar foi concedida pelo ministro na sexta-feira (2) e publicada nesta segunda-feira (5).

O réu foi condenado por tráfico com agravante de ter sido cometido com “grave violência”. Em apelação, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve parte da condenação e oficiou a primeira instância da decisão.

De ofício, o juiz decretou a prisão para dar início ao cumprimento da pena “em atenção ao disposto no HC 126.292 do STF”. O réu é defendido pelo advogado Vladimir de Amorim.

Para o ministro Lewandowski, a decisão é inconstitucional. O HC citado pelo juiz é o precedente em que se ancora a chamada “execução antecipada da pena”.

Foi nele que o Supremo decidiu, em fevereiro de 2016, que a pena de prisão pode ser executada depois que a segunda instância confirmar a condenação.

Naquela ocasião, venceu a tese do ministro Teori Zavascki, de que a segunda instância encerra a discussão sobre provas e fatos, deixando para o Superior Tribunal de Justiça e o Supremo questões de direito.

Lewandowski ficou vencido por entender que a tese vencedora contraria o que diz o inciso LVII do artigo 5º da Constituição Federal: “Ninguém será considerado culpado antes do trânsito em julgado de sentença pena condenatória”.

“O texto constitucional é expresso em afirmar que apenas depois do trânsito em julgado da sentença penal condenatória alguém poderá ser considerado culpado”, diz Lewandowski. “Não se deve fazer política criminal em face da Constituição, mas sim, com amparo nela.”


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
15.02.18 15h02 » Ex-assessor de Silval pede ao STF para sair da prisão domiciliar
15.02.18 09h12 » Competência para julgar caso Cristiane Brasil é do Supremo
13.02.18 09h22 » Toffoli defende tributação do empregador sobre o terço de férias
13.02.18 08h22 » STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes
09.02.18 17h53 » Ministro Luiz Fachin nega pedido de Lula para evitar prisão
09.02.18 17h47 » Ministra diz que Judiciário tem 'débito enorme com a sociedade'
08.02.18 14h41 » Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
07.02.18 17h27 » Supremo decide que planos de saúde reembolsem o SUS
06.02.18 16h09 » Turma do Supremo determina prisão imediata após 2ª instância
06.02.18 15h22 » Hoje pratica-se a regra da prisão provisória definitiva, critica Gilmar Mendes



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet